Mais de mil líderes religiosos da Califórnia desafiam governador e planejam reabrir templos

Extra
·3 minuto de leitura

SACRAMENTO - Em afronta à ordem de isolamento social do governador Gavin Newsom para retardar a propagação do novo coronavírus, mais de 1.200 pastores e rabinos da Califórnia disseram que retomarão os cultos presencialmente em 31 de maio

De forma gradual, Newsom permitiu que algumas empresas reabrissem à medida que o número de hospitalizações pelo novo coronavírus do estado diminuiu.

Mas as igrejas e sinagogas continuam proibidas de reabrir, juntamente com salões de beleza e eventos esportivos. Newsom disse que as igrejas poderiam reabrir em semanas, e não meses.

No entanto, na quarta-feira, um advogado de uma igreja em Lodi que processou Newsom disse que mais de 1.200 pastores assinaram uma "declaração de essencialidade" que anuncia seu plano de reabertura em 31 de maio, observando o distanciamento físico e outras precauções.

O advogado Robert Tyler disse que alguns pastores representam várias igrejas. Ele espera que até 3 mil templos em toda a Califórnia possam ter serviços presenciais em 31 de maio.

— Esta carta não foi enviada com o objetivo de pedir permissão — disse ele.

A carta chega um dia depois de o chefe da Divisão de Direitos Civis do Departamento de Justiça dos EUA dizer ao governador em carta que sua ordem de permanecer em casa coloca um "fardo injusto" sobre as igrejas.

Representantes do escritório de Newsom e do Departamento de Saúde Pública da Califórnia não responderam a um pedido de comentário.

A Califórnia tem mais de 85.700 casos de coronavírus e mais de 3.400 mortes, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins. O número de pessoas infectadas provavelmente é maior devido à falta de testes.

A Califórnia foi o primeiro estado a emitir uma ordem de permanência em casa obrigatória para retardar a propagação da Covid-19. Quase todas as igrejas e sinagogas do estado cumpriram a ordem.

Mas isso tem sido um problema para Temple Ner Simcha em Westlake Village. O rabino Michael Barclay tem transmitido cerimônias pela internet, mas ele diz que alguns de seus congregantes são judeus ortodoxos e não podem usar eletricidade no sábado.

— Tem sido extremamente difícil manter contato com as pessoas, especialmente lidar com elas e suas necessidades psicológicas, emocionais e espirituais — disse Barclay, que assinou a carta e planeja retomar os serviços em 31 de maio. — Isso realmente prejudicou a psiquê e o espírito das pessoas — completou o rabino.

Barclay disse que seu santuário de 300 lugares tem espaço suficiente para cerca de 40 famílias praticarem o distanciamento físico "sem problemas".

O Centro Cristão Cross Culture em Lodi foi uma das poucas igrejas que tentaram continuar se reunindo, apesar da ordem de ficar em casa. A polícia local entrou na igreja durante um culto em março para dizer que eles estavam violando a ordem do governador.

Mais tarde, o proprietário da igreja mudou as fechaduras e a polícia ameaçou citar qualquer pessoa que entrasse na propriedade. A igreja processou.

Um juiz federal no início deste mês tomou o partido de Newsom, dizendo que ele tinha o direito de proibir os serviços da igreja no interesse da saúde pública. Tyler disse que a igreja apelou da decisão.

No início deste mês, um juiz federal em Kentucky decidiu derrubar a proibição temporária de serviços religiosos pelo governador Andy Beshear, dizendo que ele não deu uma "razão convincente" para limitar o direito das pessoas a praticar livremente a religião.