Mais países limitam uso da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19

com NYT e agências internacionais
·4 minuto de leitura

RIO — Depois que os órgãos reguladores europeus descreveram uma "possível ligação" entre a vacina contra a Covid-19 de Oxford/AstraZeneca e alguns relatos de coágulos sanguíneos raros, mais países ao redor do mundo como Austrália, Itália, Espanha, Bélgica e Filipinas recomendaram seu uso apenas para idosos.

Outros suspenderam completamente a vacinação com o imunizante, até que mais informações estejam disponíveis, embora os reguladores europeus tenham afirmado que os benefícios da vacina superam os riscos para a maioria das pessoas.

Nas últimas semanas, mais de uma dúzia de países já haviam suspendido o uso do imunizante em meio a preocupações com os possíveis efeitos colaterais, mas a maioria retomou depois que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou no dia 18 de março que a vacina é segura e eficaz. Alguns, incluindo França e Holanda, já haviam estabelecido uma idade mínima. No final de março, a Alemanha também decidiu limitar o uso da vacina a pessoas com mais de 60 anos.

Na quarta-feira, após as novas análises da EMA e da agência reguladora britânica, o Reino Unido recomendou que, quando possível, outras vacinas que não a da AstraZeneca sejam usadas para pessoas com menos de 30 anos, que têm riscos menores de hospitalização pela Covid-19.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu, na quarta-feira, que sejam incluídas na bula da vacina de Oxford/AstraZeneca possíveis ocorrências tromboembólicas com trombocitopenia, que é a diminuição de plaquetas no sangue que ajudam na coagulação. O órgão reafirmou, no entanto, que os casos relatados em alguns países são "muito raros" e manteve a recomendação de uso do imunizante.

Restrições

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, disse em entrevista coletiva nesta quinta-feira que o país mudou sua orientação sobre o uso do imunizante para jovens por excesso de cautela. Agora, recomenda que adultos com menos de 50 anos recebam uma vacina alternativa.

Especialistas em saúde pública e o primeiro-ministro deixaram claro que a decisão foi baseada na ponderação dos riscos muito baixos de complicações da vacina contra o risco do coronavírus.

— Nosso objetivo é tranquilizar os australianos de que fomos muito claros sobre o nível de risco muito baixo — acrescentou Morrison.

A Itália anunciou na quarta-feira que passou a recomendar o uso do imunizante apenas para pessoas com mais de 60 anos.

A Espanha também vai recomendar a limitação do uso da vacina apenas para aqueles com mais de 60 anos, disse a ministra da Saúde, Carolina Darias, na noite de quarta-feira.

Já a Bélgica informou que vai suspender temporariamente o uso do imunizante da AstraZeneca em pessoas com menos de 56 anos e que seriam oferecidas vacinas alternativas aos mais jovens — medidas que o Ministério da Saúde do país informou que seriam revistas em quatro semanas.

As Filipinas também anunciaram a suspensão temporária do uso da vacina em pessoas com 60 anos ou menos.

Rolando Enrique Domingo, diretor-geral do órgão regulador do país, disse que não houve relatos locais de coágulos sanguíneos, mas que o governo estava tomando medidas de precaução após a decisão da EMA de listar os coágulos como um efeito colateral raro da vacina da AstraZeneca.

Enquanto isso, a vacinação vai continuar com o uso do imunizante CoronaVac, produzido na China, ele afirmou.

— Aguardamos os resultados da revisão que está sendo feita por nossos especialistas locais, assim como a orientação oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde) — disse Domingo.

Mesmo antes dos resultados das últimas análises na Europa, a Coreia do Sul decidiu suspender temporariamente a vacinação com a AstraZeneca para pessoas com menos de 60 anos. Autoridades do país disseram que decidirão neste fim de semana se devem retomar a administração da vacina nessa faixa etária, depois que um painel de especialistas analisou as informações sobre coágulos sanguíneos nesta quinta-feira.

Outros países, incluindo Camarões, República Democrática do Congo, Dinamarca e Noruega, suspenderam completamente o uso do imunizante até que mais informações sobre o risco de coagulação estejam disponíveis.

Autoridades canadenses informaram que estão revisando as novas orientações, assim como as informações enviadas pela farmacêutica, e determinarão as etapas seguintes. No final de março, o Canadá suspendeu a vacinação com o imunizante para pessoas com menos de 55 anos.