Mais perto da independência do gás russo

Esta terça-feira, a Alemanha deu um grande passo no caminho para a independência das importações de gás russo. Está concluído o primeiro dos cinco terminais de gás natural liquefeito (GNL) planeados por Berlim para substituir o gasoduto russo. No passado, a infraestrutura foi responsável por mais de metade do abastecimento do país.

Os trabalhos de construção no porto de Wilhelmshaven, no Mar do Norte, começaram em Maio. Christian Janzen, um dos gestores do projeto, explica que a capacidade do terminal é de cerca de cinco mil milhões de metros cúbicos e com esta quantidade é possível fornecer cerca de dois milhões e meio a cinco milhões de lares por ano com gás natural. “Este terminal é um elemento essencial para a segurança do aprovisionamento da Alemanha e podemos utilizá-lo para importar cerca de oito por cento do consumo de gás natural do país”, sublinha Janzen.

Estão previstos quatro outros terminais de GNL. O gás é utilizado para aquecer casas, indústria elétrica e gerar eletricidade. A Alemanha quer evitar uma crise energética. Para além da construção dos erminais de gás natural liquefeito vai reativar temporariamente centrais elétricas alimentadas a petróleo e carvão e prolongar o funcionamento das últimas três centrais nucleares que deveriam ser desligadas até meados de abril.