"Mais pessoas podem morrer" nos EUA se transição continuar demorando, diz Biden

·2 minuto de leitura
Joe Biden durante coletiva de imprensa em Wilmington, Delaware, 16 de novembro de 2020
Joe Biden durante coletiva de imprensa em Wilmington, Delaware, 16 de novembro de 2020

O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, expressou nesta segunda-feira (16) sua frustração com a relutância de Donald Trump em cooperar com a transição com o novo governo, dizendo que "mais pessoas podem morrer" sem a coordenação imediata das ações contra a pandemia.

"Mais pessoas podem morrer se não nos coordenarmos" em questões como a distribuição de vacinas para covid-19 o quanto antes, alertou Biden a repórteres quando questionado sobre qual seria a maior ameaça representada pela obstrução de Trump à mudança de governo.

"Se tivermos que esperar até o dia da posse de 20 de janeiro para começar a planejar, nos atrasaríamos em um mês ou um mês e meio", explicou Biden. "Por isso, é importante que haja coordenação agora ou o mais rápido possível".

Muitos especialistas, incluindo ex-membros do governo Trump, alertaram que a recusa do presidente republicano em cooperar com a transição enquanto questiona os resultados das eleições pode ter consequências devastadoras, em um momento em que os Estados Unidos são duramente atingidos pela pandemia.

Um milhão de novos casos foram registrados nos Estados Unidos em menos de uma semana, elevando o número de infectados para mais de 11 milhões e o número de mortos pela doença para 246.000.

O conselheiro de saúde de Trump, Scott Atlas, que carece de experiência relevante ou qualificações em saúde pública ou doenças infecciosas, urgiu em Michigan a população a "se levantar" contra as medidas de prevenção da pandemia, ao invés de colocar em prática novos esforços para conter a doença.

"O que acontece com essas pessoas?", perguntou Biden ao comentar as declarações de Atlas. "É totalmente irresponsável", continuou.

O presidente eleito se pronunciou pouco depois da empresa de biotecnologia Moderna anunciar que sua vacina experimental contra a covid-19 é 94,5% eficaz.

Biden disse que fará uso de qualquer vacina - seja da Moderna ou da concorrente Pfizer - se especialistas, como o imunologista Anthony Fauci, declararem o tratamento seguro.

“Eu não hesitaria em ser vacinado se o Dr. Fauci e essas duas organizações - seja a Moderna ou a Pfizer, que têm sido extremamente responsáveis - concluíssem que é seguro”, disse o presidente eleito.

“O único motivo pelo qual a vacina está sendo questionada agora é Donald Trump”, acrescentou Biden, que fará 78 anos na sexta-feira.

mlm/jm/gm/am