Mais ricos do mundo já perderam US$ 1,4 trilhão em 2022

As 500 pessoas mais ricas do mundo perderam um total de US$ 1,4 trilhão este ano, incluindo US$ 206 bilhões somente na segunda-feira, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index, à medida que os mercados financeiros globais se dobram sob o peso das taxas de juros mais altas e da ansiedade inflacionária.

Combustíveis: Representantes da Petrobras e do governo se reúnem hoje para discutir política de preços

Servidores públicos: Bolsonaro confirma que não haverá reajuste e diz que tenta elevar vale-alimentação

Concurso público: Governo autoriza seleção para 1,7 mil vagas no INSS e Receita Federal

Veja o vídeo: Após seca do Rio Tigre, arqueólogos descobrem cidade de 3400 anos no Iraque

É um forte contraste com o ano passado, quando os mercados em alta aumentaram a população mundial de indivíduos de alto patrimônio líquido em cerca de 8%, incluindo 13% na América do Norte, de acordo com um relatório da Capgemini World Wealth divulgado na terça-feira.

Os dados mostram que as fileiras dos ricos na Ásia-Pacífico aumentaram apenas 4,2% - atrás da Europa e ficando ainda mais atrás da América do Norte depois de dominar o crescimento dos ricos na última década.

A repressão da China às empresas de tecnologia e o arrefecimento do mercado imobiliário foram em parte a causa da redução dessas fortunas, mas que também refletiu os ganhos ferozes no mercado de ações dos EUA, que ajudaram a inflar tudo, desde criptomoedas a valores de propriedades.

Segurança nas redes: Meus dados vazaram na deep web, e agora? Veja o que fazer

Agora, isso está se revertendo rapidamente, à medida que a inflação disparou, provocando preocupações sobre a intensidade com que o Federal Reserve aumentará as taxas.

Ainda assim, o relatório da Capgemini ilustra o quanto a pandemia de Covid-19 e a resposta monetária beneficiaram a elite econômica e onde eles residem predominantemente.

Mais ricos se concentram em quatro países

Estados Unidos, Japão, China e Alemanha permanecem entre os principais países onde vive a maioria dos milionários do mundo. Os quatro abrigam quase 64% dos indivíduos de alto patrimônio líquido em todo o mundo, mostrou o relatório da Capgemini.

Recuperação: Frio chega mais cedo e varejo de vestuário espera o melhor inverno em vendas desde 2014

Além disso, mesmo entre os indivíduos de alto patrimônio líquido do mundo, os muito ricos viram os maiores benefícios. Pessoas com ativos para investir de US$ 30 milhões ou mais viram sua riqueza crescer 9,6% em comparação com 2020, o ritmo mais rápido entre os grupos estudadas pelo relatório. Aqueles com fortuna de US $ 1 milhão a US $ 5 milhões tiveram o crescimento de riqueza mais lento em 7,8%.

O relatório também destacou como as mulheres em todas as faixas devem herdar 70% das fortunas globais nas próximas duas gerações. A enorme riqueza criada a partir de avaliações altíssimas de empresas de tecnologia e startups também deu origem a indivíduos mais jovens e ricos, inclusive no espaço criptográfico.

Claro, essa rápida ascensão está agora sob cerco à medida que o Bitcoin, o Ether e o resto do espaço criptográfico estão em forte queda e as startups de tecnologia descobrem que levantar novo capital está prestes a ficar muito mais caro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos