Mais de um bilhão de jovens estão em risco de perda auditiva devido a fones de ouvido e locais com música alta

Mais de um bilhão de jovens entre 12 e 34 anos estão em risco de perda auditiva devido ao uso inadequado de fones de ouvido e por frequentarem locais com música em volume além do orientado. A conclusão é de uma revisão de 33 estudos sobre o tema envolvendo quase 20 mil participantes, publicada nesta quarta-feira na revista científica BMJ Global Health.

Felizes e gordinhos para sempre: Casais que vivem juntos por mais de 1 ano dobram o risco de engordar, mostra estudo

Alta da Covid-19: Por quanto tempo preciso ficar isolado se estiver infectado?

Os pesquisadores responsáveis pelo trabalho escrevem que os resultados são um alerta sobre a “urgente necessidade de governos, indústria e sociedade civil priorizarem a prevenção global da perda auditiva, promovendo práticas de escuta”, e destacam que há diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) disponíveis para ajudar a garantir esse objetivo.

Liderada pela pesquisadora da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, Lauren Dillard, a revisão é parte de um esforço internacional de especialistas da própria OMS e de instituições de países como Suíça, Suécia e México.

Eles explicam que trabalhos anteriores já haviam mostrado que, embora o limite orientado para o volume seja de 80 decibéis (dB) para adultos e 75 dB para crianças, usuários de fones de ouvido costumam aumentar o som para até 105 dB, e a média em locais com música para entretenimento, como boates e shows, varia entre 104 dB e 112dB.

Exame de Lula: Entenda o que é a leucoplasia na laringe apontada pelos médicos no presidente eleito

Considerando a adesão significativa de jovens tanto ao uso de fones, como a locais com som alto, os cientistas decidiram avaliar a prevalência de pessoas na faixa etária que estaria exposta às frequências prejudiciais ao ouvido – e, portanto, estaria em risco elevado de perda auditiva.

Para isso, eles selecionaram 33 estudos, em idiomas como inglês, francês, espanhol e russo, que compilaram 35 registros de audição entre jovens de 12 a 34 anos, 17 registros focados nos fones de ouvido e 18 nos locais de entretenimento musical.

Eles descobriram que a exposição recorrente a frequências sonoras danosas é uma prática comum de forma global. Em relação aos fones de ouvido, a prevalência foi de 24% entre os adolescentes e jovens, enquanto para estabelecimentos com música alta foi de 48%.

Regulação do intestino e saciedade: Conheça os benefícios da aveia, um superalimento que não contém glúten

Baseado na estimativa de que a população mundial é composta por 2,8 bilhões de indivíduos, os pesquisadores concluíram que um total de até 1,35 bilhões de pessoas na faixa etária estão com um potencial risco para perda auditiva.

Impactos no ouvido

Os cientistas explicam que, embora mais estudos epidemiológicos sejam necessários para compreender de forma completa os efeitos da exposição recreativa ao som elevado na audição, já há evidências consistentes para os danos que levam à perda da capacidade de ouvir.

“Estudos indicaram que instâncias repetidas ou mesmo únicas de exposição ao ruído alto podem levar a danos fisiológicos que se apresentam como perda auditiva temporária (mudanças temporárias de limiar) que se resolve dentro de várias horas ou dias, ou zumbido agudo, ambos os quais podem ser preditivos de dano permanente na audição”, escrevem os pesquisadores.

Suplementos de Ômega 3: Eles são realmente necessários?

Além disso, destacam que a exposição já foi associada a um diagnóstico chamado sinaptopatia coclear, “que pode ser definida como dano ou perda de contatos sinápticos entre as células ciliadas da cóclea e fibras nervosas do sistema auditivo”. As células são chamadas de receptoras auditivas por serem responsáveis em grande parte pela audição.

“As práticas auditivas inseguras são reconhecidas como um importante problema de saúde pública global”, afirmam os responsáveis pelo trabalho, lembrando diversas iniciativas da OMS para atenuar os efeitos negativos.

Algumas delas, como a campanha “Escuta segura", têm caráter educacional para informar a população, profissionais da saúde, legisladores e a indústria fonográfica sobre os limites indicados de decibéis e os riscos de ultrapassá-los.

Ondas em outros países: Quanto tempo dura o aumento da Covid-19 provocada pela nova variante em circulação?

Em 2018, a organização lançou padrões globais de limites para serem adotados de forma voluntária pelos fabricantes de fones de ouvido. Neste ano, criou diretrizes para locais e eventos com música alta, como boates, bares, shows e festivais.

A OMS estima que, atualmente, cerca de 430 milhões de pessoas no mundo vivem com perda auditiva.