Maitê Proença fala de relacionamento com Calcanhotto: 'Adriana é adorável, única'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Prestes a retornar aos palcos com a peça "O pior de mim", Maitê proença vive um momento bem diferente daquele em que estava quando estreou o espetáculo autobiográfico em 2020. Pouco mais de um ano depois, a atriz se tornou produtora de orgânicos com um grupo de amigos, prepara um livro sobre a peça e está namorando a cantora e compositora Adriana Calcanhotto.

Em março, através de suas redes sociais, Maitê propagava a busca por um amor que "soubesse velejar". No meio do ano, entrou em cena Calcanhotto, apresentada à atriz pelo amigo José Mauricio Macheline. Nascia ali um romance.

"Eu estava brincando quando disse que procurava alguém, nem seria possível fazer experiências amorosas no meio de uma pandemia, sem vacinas. E a Adriana é adorável, única, mas não sabe velejar. Nem eu. Estamos aprendendo sobre os ventos com barquinhos de papel", diz Maitê em entrevista ao site "29 horas".

Como tudo começou

No dia 14 de maio, num vídeo postado no Instagram, Maitê Proença apareceu cantando a música "Âmbar" ao lado de Zé Maurício Machline. Do outro lado da câmera estava Adriana Calcanhotto, autora da canção, já gravada por Maria Bethânia. Os três passavam uns dias na mansão do empresário em frente ao mar em Mambucaba, Angra dos Reis, que serviu de cenáro para o início do romance entre a atriz e a cantora.

Zé Maurício, aliás, que também é cantor e apresentador, namorou Maitê anos atrás e serviu de cupido para o relacionamento. Foi na ocasião que ele postou uma foto ao lado do novo casal, o único registro público das duas juntas.

Maitê Proença já vinha reclamando até publicamente da dificuldade de conseguir um novo amor durante a pandemia. Adriana, que ficou viúva em 2015, depois da morte da mulher, Suzana de Moraes, vinha, desde então, se dividindo entre Brasil e Portugal, onde ela dá aula na Universidade de Coimbra. Por causa do isolamento social, não pôde mais viajar e permaneceu mais tempo por aqui. Zé Maurício Machline, muito amigo de ambas, acabou unindo as duas nos muitos encontros que faz tanto em sua casa em Angra como na que tem na Zona Sul carioca. Entre os convidados, costumam também estar presentes o diretor Giovanni Bianco e a atriz Alice Wegmann.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos