Malásia anuncia que 25 países participam na busca do Boeing 777

O governo da Malásia anunciou neste domingo que o número de países envolvidos nos esforços para encontrar o Boeing 777 desaparecido praticamente dobrou e chegou a 25, em um novo esforço para encontrar a aeronave em uma ampla área de mar e terra.

"O número de países envolvidos na operação de busca e resgate aumento de 14 a 25, o que representa novos desafios em termos de coordenação e diplomacia", disse o ministro dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein.

A Malásia destacou no sábado que os dados por satélite mostravam que o voo 370 da Malaysia Airlines pode ter prosseguido a viagem para um destino desconhecido, em uma ampla zona que vai do Cazaquistão até o sul do Oceano Índico, depois de ter desaparecido dos radares civis em 8 de março.

Hishammuddin disse em uma entrevista coletiva que a Malásia, que coordena a busca, entrou em contato neste domingo com as autoridades de pelo menos 22 países para solicitar ajuda.

O auxílio inclui informação por satélite e dados militares sensíveis de países como Estados Unidos, China e França.

Hisshammuddin, questionado sobre as possibilidades de sucesso em uma área de busca tão ampla, admitiu a dificuldade da tarefa.

"Esperamos que as partes possam prestar seu apoio e nos ajudar a reduzir a busca a uma zona muito mais factível", disse.

A polícia malaia anunciou que busca informações sobre todos os passageiros com outros países e agências de inteligência, ao mesmo tempo que reforça as investigações sobre o motivo do desvio proposital do Boeing 777 de sua ruta original Kuala Lumpur-Pequim.

A polícia revistou no sábado as residências do piloto e do copiloto e apreendeu o simulador de voo que o capitão da aeronave, Zaharie Ahmad Shah, construiu em casa.

Mais cedo, a China voltou a criticar o governo da Malásia.

No sábado, o governo malaio anunciou que a desativação dos sistemas de comunicação e a brusca mudança de rumo do avião da Malaysia Airlines eram "coerentes com uma ação deliberada de alguém" dentro da aeronave.

Das 239 pessoas a bordo do Boeing, 153 eram cidadãos chineses

"É evidente que o anúncio de informações tão essenciais chega terrivelmente tarde, após sete dias atrozes para os familiares dos passageiros desaparecidos", afirmou a agência oficial Xinhua.

A agência considera a demora "inaceitável" e destaca que a Malásia "não pode fugir de sua responsabilidade".

"Com a ausência, ou ao menos a falta, de informação pontual comprovada, grandes esforços foram desperdiçados, concentrando as operações de busca em uma área na qual não estava o avião".

"Isto demonstra que as operações de busca dos oito últimos dias foram totalmente vãs e falharam no essencial. As hipóteses que as autoridades malaias se esforçavam para desmentir se mostraram exatas", criticou o jornal Beijing Times.

Carregando...