Malu Mader cita mudanças que vieram com a maturidade e depois de cirurgia na cabeça: 'Estou igual a Lídia Brondi'

·3 min de leitura
Malu Mader (Foto: Reprodução/ Instagram @malumaderatriz)
Malu Mader (Foto: Reprodução/ Instagram @malumaderatriz)

Longe das novelas desde 2016 — mas presente em 2020 no filme “Boca de Ouro”, baseado na obra de Nelson Rodrigues —, Malu Mader raramente dá entrevistas. Avessa também às redes sociais (“Acho muito contraditório para”, diz ela), a atriz conversou com o publicitário (e amigo) Washington Olivetto em seu podcast "W/ Cast". 

A estrela da TV lembrou o início do relacionamento com Tony Bellotto e se derreteu pelo marido roqueiro. Malu também revelou que começou a fazer análise e citou mudanças que vieram com a maturidade, além as consequências da cirurgia que precisou fazer em 2005, após ser diagnosticada com um cisto no lado esquerdo da cabeça.

Leia também

Crise

“Fiz vestibular para Letras e Sociologia. Cursei a primeira um pouquinho, mas foi exatamente na época em que comecei a fazer muita televisão. Mas em algum momento você vai atrás de suas vocações. Tive uma certa crise vocacional, mas não em relação a dúvidas sobre ser atriz. Talvez por ter feito tanta novela ou uma coisa normal da idade também.

Além disso, eu tinha tido aquele problema na cabeça que mexeu um pouco comigo. Nesse momento, aos 39 anos, fui dirigir um documentário (‘Contratempo’, de 2008) e agora penso numa continuação dele”.

Análise

“Eu nunca tinha feito análise e comecei a há pouco tempo. Todo mundo que me conhece falava que eu ia adorar, mas nunca acontecia. Só agora comecei e me apaixonei. Não só de fazer, mas de estudar também”.

'Não deixaria de ser atriz'

“Tenho tido essa curiosidade, estou igual a Lídia Brondi (atriz que abandonou a carreira e virou psicóloga). Me deu um interesse repentino por essa área de psicanálise, psiquiatria, neurociência. Tudo ligado ao cérebro. Não sei se é porque operei a cabeça um tempo atrás. Depois disso, claro, você fica mais atenta a isso. Não deixaria de ser atriz, mas gostaria de fazer algo ligado a essa área”.

‘Não virei outra pessoa’

“Eu vendo uma entrevista do Paulo Niemeyer (neurocirurgião), que foi quem me operou, ele falou que, quem operava o lobo frontal esquerdo, o risco maior não era propriamente a perda de memória, mas uma mudança comportamental. De fato eu percebi isso, algumas mudanças de comportamento.

Eu atribuía isso ao que eu tinha passado (cirurgia), que era algo que naturalmente mexia com você. Não que eu tenha virado outra pessoa. Tipo coisa de novela que você acorda outro. Mas vieram muitas mudanças significativas, e, desde então, eu fiquei curiosa e atenta a tudo que se refere ao cérebro e à ciência”.

'Agora eu vou mostrar?'

“Não tenho rede social, é uma tendência minha de ser mais devagar mesmo. Acho muito contraditório para mim, que a vida inteira fui muito reativa a isso, a essa exposição... Mas agora eu é que vou mostrar? Durante anos meu sonho era de estar em algum lugar e ninguém saber onde eu estava”.

 

‘Caras bem galinhas’

"Por sorte, tive um marido que estava acostumado a me ver exposta. Ele sempre, desde o começo, me deu muita liberdade. Eu tinha tendência a ter ciúmes, até porque tinha namorado uns caras bem galinhas, então eu tinha um certo trauma. E toda mulher tem um certo grilo porque o mundo masculino é realmente difícil de encarar. Tudo facilita muito para os homens poderem ficar mais à vontade, e as mulheres não, consequentemente.

Quando você está com um homem que te dá liberdade, que deixa você ser quem você é, colocar a saia que você quer colocar, para mim, pelo menos, é algo maravilhoso e lindo. Aí você pensa: 'não posso perder isso de jeito nenhum'. Ainda mais por uma crise. Isso me encanta na personalidade dele. É uma vida prazerosa ter alguém assim do seu lado".

Atriz entrega ex-casal

“Uma parte do público dos Titãs, quando eles estavam fazendo um rock mais pesado, ficava bravo por eles namorarem meninas da Globo. O Nando Reis namorou a Betty Faria, o Marcelo Fromer a Betty Gofman, o Tony Bellotto a mim, o Branco (Mello) a Ângela Figueiredo. Um dia o garçom de um hotel disse para eles: ‘vocês ficam namorando essas atrizes da televisão...’, como se fosse uma coisa depreciativa, pegava mal para eles".

 

 

 

 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos