Manchester City vence PSG (2-0) e vai à sua 1ª final de Champions

·4 minuto de leitura

O Manchester City, que já havia vencido por 2 a 1 no jogo de ida, derrotou o Paris Saint-Germain novamente (2-0) nesta terça-feira, em casa, e se classificou para a final da Liga dos Campeões, que será a primeira na história do clube inglês.

O argelino Riyad Mahrez foi o autor dos dois gols (11 e 63) que deram a vitória ao Manchester City no Etihad Stadium.

O time do norte da Inglaterra vai disputar a grande decisão no dia 25 de maio, em Istambul, na Turquia, contra o vencedor da outra semifinal, entre Chelsea e Real Madrid, que se enfrentam nesta quarta-feira, após empatarem em 1 a 1 no jogo de ida, na capital espanhola.

O jogador da seleção argelina, nascido na periferia de Paris, foi o protagonista da partida. Mahrez marcou seu primeiro gol quase sem ângulo aproveitando um rebote de um zagueiro (11) e o segundo finalizando em um contra-ataque repentino (63), quando o PSG atacava mais contra a meta do goleiro Ederson.

"Acho que foi merecido nos dois jogos, merecemos avançar, conseguimos ser eficientes quando era necessário e fizemos a diferença. Hoje no primeiro tempo estivemos na média. No segundo tempo, conseguimos elevar o nosso nível, e poderíamos ter marcado mais três ou quatro gols", declarou Mahrez à RMC Sport.

"Depois, (os jogadores do PSG) ficaram nervosos e acabaram tendo um expulso, o que facilitou nosso trabalho. Nós merecemos ir à final", acrescentou.

Já do lado parisiense, ficou a decepção. "Demos tudo e começamos bem, mas sabemos que neste tipo de jogo os pequenos detalhes fazem a diferença”, disse por sua vez o zagueiro Marquinhos à RMC Sport.

"Pressionamos bem, mas o segundo gol nos matou. O Manchester City é uma equipe de alto nível que sabe como manter a bola muito bem", acrescentou o brasileiro.

A vantagem no placar poderia ter sido maior para o City, já que o PSG desapareceu em campo assim que o argentino Ángel di María foi expulso por chutar o brasileiro Fernandinho (69).

O técnico Pep Guardiola volta à final da principal competição europeia de clubes após as duas conquistas com o Barcelona (2009 e 2011).

O PSG sentiu falta de seu astro, Kylian Mbappé, que permaneceu no banco depois de não ter se recuperado de dores musculares na perna direita.

- Emoção desde o início -

A partida começou de forma espetacular, como era de se esperar levando em conta que estavam em campo duas das equipes mais poderosas do continente. Aos 7 minutos de jogo, o holandês Bjorn Kuipers marcou um pênalti a favor do PSG, mas voltou atrás ao verificar pelo VAR que a bola não havia tocado no braço do ucraniano Oleksandr Zinchenko.

E aos 11 minutos o time da casa abriu o placar. O goleiro Ederson fez um excelente lançamento para Zinchenko que cruzou rasteiro para Kevin de Bruyne. O belga chutou e no rebote Mahrez mandou para o fundo da rede.

Os parisienses reagiram e tiveram duas boas chances de empatar, primeiro com uma cabeçada de Marquinhos (17) que bateu no travessão e depois com um chute de Di María, aproveitando um vacilo da defesa do City, que passou perto (19).

Mas, após a chance do argentino, a equipe de Guardiola assumiu a posse da bola e não deixou o PSG voltar a se aproximar com perigo antes do intervalo, a não ser em um chute do espanhol Ander Herrera (36).

- Di María expulso -

Depois do intervalo, o PSG partiu para cima em busca de dois gols que forçariam uma prorrogação. Neymar, com um chute que foi bloqueado por Zinchenko (55), e Herrera, com outro disparo que foi desviado pelo zagueiro português Ruben Dias (61), quase marcaram para o time francês, mas no final foi o City que não perdoou.

Zinchenko interceptou uma bola na zona de criação parisiense e entre Foden e De Bruyne armou um contra-ataque muito rápido que terminou com Mahrez, sozinho na segunda trave, empurrando para o fundo da rede (63).

Esse gol acabou desequilibrando o PSG, que enterrou de vez suas poucas chances ao ficar com 10 jogadores em campo após a expulsão de Di María.

"Às vezes no futebol é preciso um percentual de sorte em alguns momentos do jogo. No final, eles foram muito eficazes. Eles marcaram em uma situação em que pressionávamos, com uma bola em profundidade", lamentou o técnico argentino Mauricio Pochettino após o jogo.

O PSG terá agora de se concentrar em tentar manter a sua hegemonia na Ligue 1 francesa. E a missão de conquistar um quarto título consecutivo (e o oitavo nas últimas nove temporadas) não está nada fácil já que os parisienses estão em segundo lugar, a um ponto do líder Lille, faltando três rodadas para o fim do campeonato.

Já o técnico vitorioso desta terça-feira, Pep Guardiola, comemorou. "Estou extremamente orgulhoso e meu primeiro pensamento vai para os atletas que não jogaram hoje. Sei que é difícil para eles, mas todos contribuem para esta temporada na Champions League", disse o treinador catalão em entrevista à BT Sports.

ah-hap-eba/gcd/mcd/aam