Manchester United estava disposto a pagar 80% do salário de CR7 para deixá-lo ir, diz site

O acerto de Cristiano Ronaldo com o Al-Nassr foi o capítulo final de uma novela envolvendo o futuro do atacante de 37 anos após deixar o Manchester United. Mas o desenrolar dessa história teria sido bem desagradável para o português: segundo o site "The Athletic", o clube inglês teria aceitado até pagar 80% do salário do jogador para liberá-lo por empréstimo.

Mesmo com a postura generosa do clube de Manchester, não teria sido possível encontrar um destino como o atacante queria, um clube que estivesse disputando a Champions League. O "Athletic" conta que os Red Devils cobrariam apenas 80 mil (524 mil reais) das 385 mil libras (2,5 milhões de reais) semanais recebidas pelo gajo.

A crise teria sido uma das rachaduras na relação entre Ronaldo e seu antigo empresário, Jorge Mendes. O agente não esteve envolvido na transferência ao Al-Nassr, tocada por Ricardo Regufe, outro gestor que trabalhava com o atacante. Assim como Mendes, Regufe também teria tentado convencer CR7 a permanecer em Manchester.

"Mendes aconselhou Ronaldo a ficar no United e aceitar sua posição no elenco de ten Hag e provar seu talento no campo. Uma boa temporada poderia trazer de volta os times da Champions de volta no próximo verão, ou até fazer o United acionar uma cláusula de renovação de um ano", conta o site, que diz até que Ronaldo procurou um clube europeu pessoalmente para conversar sobre um possível negócio, sem sucesso.

Ronaldo deixou o Manchester United em novembro do ano passado, num processo de rescisão iniciado após uma polêmica entrevista em que criticou o clube e o antigo técnico, Erik ten Hag. Na terça-feira, foi apresentado pelo clube árabe, após longa negociação.