A manchete sobre conferência de Greta Thunberg cancelada pelo frio é de uma página de humor

Uma suposta conferência sobre o aquecimento global da ativista Greta Thunberg teria sido suspensa, segundo usuários nas redes sociais, “devido a temperaturas de congelamento subárticas”. As publicações com essa manchete, que circulam desde 25 de dezembro de 2022, são compartilhadas no contexto das fortes tempestades de neve que atingiram os Estados Unidos e o Canadá. Mas o título foi publicado em 2019 em uma página de humor. O assessor de imprensa de Thunberg confirmou à AFP que não havia nenhuma palestra prevista nos Estados Unidos que teria sido afetada pela situação climática do país.

“Conferência de Aquecimento Global de Greta Thunberg cancelada devido a temperaturas de congelamento subárticas”, diz a captura de tela que usuários compartilham no Facebook e no Twitter.

Captura de tela feita em 4 de janeiro de 2023 de uma publicação no Twitter ( .)

O conteúdo também circula em francês e espanhol.

Por meio de uma busca pelas palavras-chave do título em inglês junto com “Genesius Times”, que aparece nas capturas de tela virais, a AFP chegou a um artigo de viés humorístico publicado em uma página com esse nome, Genesius Time, que se define como “a fonte mais confiável em matéria de ‘fake news’” e diz ter como objetivo “uma só coisa: fazer [os seus leitores] rir e/ou chorar”.

O texto, publicado em 12 de novembro de 2019 com um tom anedótico, menciona uma organização fictícia, a “International Warming Trust”, e afirma que Greta Thunberg iria participar da conferência em um “balão de ar quente alimentado pelo seu próprio hálito”.

O Genesius Times publicou novamente o artigo em suas páginas no Twitter e no Facebook em 19 de dezembro de 2022, quando os Estados Unidos se preparavam para a chegada de uma forte tempestade de inverno. A supertempestade, que atingiu o país em plena época de Natal, provocou a morte de mais de 60 pessoas e problemas no transporte e nas infraestruturas.

O assessor de imprensa de Greta Thunberg, com quem a AFP entrou em contato em 28 de dezembro de 2022, confirmou que a ativista ambiental “não tinha previsto participar de uma conferência desse tipo” e que “não teve que cancelar nenhum evento nos Estados Unidos”.

O porta-voz também disse: “Greta Thunberg não viaja de avião, por isso normalmente é impossível participar em um evento organizado nos Estados Unidos, a não ser que possa ir de barco” para chegar até lá, como fez em 2019.

A figura de Greta Thunberg

Em novembro de 2022, a ativista sueca Greta Thunberg, de 19 anos, expressou a sua intenção de passar o megafone a outras pessoas, em entrevista à agência TT. Depois de quatro anos convocando mobilizações para lutar contra o aquecimento global, Thunberg considerou: “Também deve-se ouvir os depoimentos e as experiências das pessoas que são mais afetadas pela crise climática”.

Transformada em um ícone da causa climática e líder ativista nos meios de comunicação desde que iniciou, em 2018, uma “greve escolar pelo clima”, a pioneira do movimento “Fridays for future” está prestes a terminar o ensino médio. No ano que vem, a jovem sueca quer ir para a faculdade.

A superexposição midiática de Greta Thunberg tornou-a alvo de desinformação, algumas já verificadas (1, 2) pela AFP.

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg durante um protesto do movimento “Fridays for Future”, em Estocolmo, em 9 de setembro de 2022 ( AFP / Jonathan Nackstrand)

Tempestades de inverno e aquecimento global

Os episódios de frio extremo, como registrado em grande parte da América do Norte, põem em dúvida o aquecimento global?

“Não há relação de causa direta entre um acontecimento meteorológico pontual (como a queda de neve no começo da temporada de inverno) e as tendências de fundo de mudanças climáticas, medidas em escala plurianual”, explicou em 28 de novembro de 2022 à AFP Florian Tolle, glaciologista e especialista em geografia do laboratório ThéMA, na Universidade de Franche-Comté (Besançon).

Segundo o especialista “venha como vier, esse inverno [no hemisfério norte], seja muito intenso ou não, não será suficiente para interpretar tendências de fundo climáticas. Somente o estudo do clima em um período longo de tempo dá uma visão clara das tendências que existem, e se esse inverno acabar trazendo muita neve e frio, não será mais do que uma pausa pontual em uma tendência de alta nas temperaturas”.

Veículos abandonados no meio da estrada durante uma nevasca em Buffalo, Nova York, em 26 de dezembro de 2022 ( AFP / Joed Viera)

O pesquisador Karl Rittger, do Instituto de Pesquisa Ártica e Alpina da Universidade do Colorado, em Boulder, por sua vez, comentou à AFP na mesma data que o aquecimento climático tem “diferentes impactos” ambientais, entre os quais estão “mais fenômenos extremos”, como fortes nevascas.

“Há certos aspectos das tempestades de inverno (...) nos quais os vínculos com a mudança climática são bastante claros”, disse à AFP Michael Mann, climatologista da Universidade da Pensilvânia, em declarações para este artigo.

Nesse estudo publicado em 16 de novembro de 2022, a World Weather Attribution, uma rede mundial de cientistas conhecida pela sua capacidade de avaliar em pouco tempo a relação entre os acontecimentos meteorológicos extremos e a mudança climática, considerou que esta havia multiplicado por 80 a probabilidade de chuvas intensas, que nos meses anteriores provocaram enchentes históricas e catastróficas na Nigéria.

As temperaturas tão elevadas registradas nos países europeus no verão do hemisfério norte em 2022 e os episódios de fortes chuvas, ou recordes de nevascas, não são necessariamente contraditórios, como já explicado pela AFP em verificações em outros idiomas (1, 2).

Em outubro de 2022, a ONU e a Cruz Vermelha alertaram que, no futuro, as ondas de calor farão com que algumas regiões fiquem inabitáveis, fenômeno que será cada vez mais comum devido às mudanças climáticas.

Um estudo de 2021 publicado pela revista Science Advances advertia que o aquecimento climático desequilibra o clima em quase dois terços do planeta.