Mandetta diz que curva de transmissão do coronavírus só terá queda brusca em setembro

RICARDO DELLA COLETTA E GUSTAVO URIBE
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 16.03.2020 - CORONAVÍRUS-DF: O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva sobre as medidas de combate a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). (Foto: Pedro Ladeira/Folhaprfess)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou nesta sexta-feira (20) que a curva de transmissão do novo coronavírus no Brasil só deve apresentar "queda profunda" em setembro.

A declaração foi dada por Mandetta durante videoconferência do presidente Jair Bolsonaro com empresários.

"No mundo ocidental, onde as informações são mais fidedignas [...], fica caracterizado que o vírus tem um padrão de transmissão, [que] ele é muito competente", declarou o ministro.

"São Paulo está fazendo o início do seu redemoinho [de transmissão]. A gente imagina que ela vai pegar velocidade e subir nas próximas semanas, 10 dias. A gente deve entrar em abril e iniciar a subida rápida, isso vai durar os meses de abril, maio, junho, quando ela vai começar a ter uma tendência de desaceleração. O mês de julho deve começar o platô. Em agosto o platô vai começar a mostrar tendência de queda e aí a queda em setembro é profunda, tal qual a de março na China", concluiu.

Ainda segundo o ministro, pelas projeções atuais o sistema brasileiro de saúde entraria em colapso em abril. Para evitar isso, continuou o ministro, o governo pode ser obrigado a "segurar a movimentação" de pessoas para tentar diminuir a velocidade da transmissão.

"O que é um colapso? Você pode ter o dinheiro, o plano de saúde, mas simplesmente não há sistema para você entrar", explicou.