Mandetta diz que médicos podem prescrever cloroquina se assumirem os riscos

Leandro Prazeres, Renata Mariz e André de Souza
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta 06/04/2020

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, disse nesta terça-feira que o Ministério da Saúde não vai tomar medidas contra médicos que prescreverem medicamentos à base de cloroquina para o tratamento de pacientes em estágios iniciais da Covid-19, mas afirmou que ainda é cedo para que o órgão faça um recomendação neste sentido.

- Se ele (médico) se responsabilizar individualmente, não tem óbice nenhum. Ninguém vai reter a receita de ninguém. Agora, para que nós possamos, no Ministério da Saúde, assinar que o ministério recomenda que se tome essa medida, nós precisamos de um pouco mais de tempo para saber se isso pode se configurar em coisa boa ou se isso pode ter algum efeito colateral - afirmou Mandetta.

Os efeitos dos medicamentos à base de cloroquina em pacientes vítimas da Covid-19 estão sendo estudados em diversos lugares do mundo, inclusive no Brasil. O presidente Jair Bolsonaro é um dos principais defensores do uso da substância em pacientes da doença. Mandetta, no entanto, vem reforçando que ainda é cedo, diante da escassez de estudos sobre o assunto, recomendar o uso amplo desses medicamentos.

Atualmente, o Ministério da Saúde recomenda os medicamentos com a substância apenas para os pacientes com a forma moderada e grave da doença.