Manifestações de 1º de maio são marcadas pelo aumento da inflação

Marcados pelo aumento da inflação, os pedidos por maior poder aquisitivo estiveram no centro das tradicionais manifestações de 1º de maio deste domingo em todo o mundo, com incidentes na França e prisões na Turquia.

A tropa de choque turca deteve dezenas de manifestantes em Istambul em uma marcha que as autoridades dizem não ter sido autorizada.

Em Paris, as manifestações se tornaram violentas quando jovens entraram em confronto com a polícia e prédios foram vandalizados, embora os sindicatos tenham dito que mais de 200.000 pessoas participaram dos comícios em toda a França e que os movimentos foram geralmente pacíficos.

Cerca de 50 pessoas foram presas nos protestos em Paris. O 1º de maio é feriado em muitos países e houve atos em todos os continentes.

As manifestações na Europa foram as mais polêmicas, com pessoas reunidas na Praça Taksim, em Istambul, onde cantavam "viva o trabalho e a liberdade, viva o 1º de maio".

Autoridades da cidade disseram que o grupo se recusou a se dispersar e 164 foram detidos, enquanto marchas em outras partes da Turquia foram pacíficas.

Confrontos foram relatados em algumas cidades italianas, como Turim, enquanto milhares de pessoas se reuniram em Londres e cidades alemãs sem sinais de tumulto.

Na Espanha, cerca de 10.000 pessoas se manifestaram em Madri e em outras cidades em marchas muito concorridas.

A ministra do Trabalho da Espanha, Yolanda Diaz, uma comunista, disse que queria se solidarizar com os trabalhadores ucranianos "que não podem protestar".

- América Latina -

Em Honduras, a esquerdista Xiomara Castro, recém-empossada presidente, foi recebida por milhares de pessoas que a aplaudiram. Castro respondeu prometendo governar para eles e assim pôr fim a uma "era negra" de corrupção e tráfico de drogas.

Em Buenos Aires, um ato organizado pela esquerda expressou sua rejeição em Buenos Aires ao pagamento de empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), enquanto em outra manifestação os partidários do governo argentino apoiaram a política do presidente Alberto Fernández.

Houve também duas marchas diferentes em Caracas, em uma das quais funcionários de hospitais e outros funcionários de serviços básicos exigiram um "salário digno".

"Povo, escute, junte-se à luta" e "Viva os trabalhadores!" foram alguns dos slogans das manifestações.

Enquanto isso, milhares de apoiadores do governo do presidente socialista Nicolás Maduro comemoraram a "recuperação econômica" da Venezuela.

Diante de uma multidão, Maduro assegurou que "a Venezuela vai prosperar" após a "tempestade econômica" causada pelas sanções financeiras de Washington, que incluem um embargo de petróleo.

"Neste segundo semestre de 2022 estaremos duas vezes melhores economicamente, a recuperação está apenas começando", previu o presidente.

No Chile também houve duas marchas diferentes, uma das quais terminou em incidentes com a polícia.

Milhares foram às ruas poucos dias depois que o governo do presidente de esquerda Gabriel Boric aumentou o salário mínimo em 12,5%, que chegará a 400 mil pesos (US$ 470) por mês a partir de agosto. A meta do presidente é chegar a 500 mil pesos em 2026.

- "É hora de puxá-lo pela orelha" -

O clima era mais hostil no Sri Lanka, onde a oposição mostrou rara unidade ao pedir a renúncia do presidente Gotabaya Rajapaksa devido à pior crise econômica da história do país.

"É hora de puxá-lo pela orelha e expulsá-lo", disse o ex-deputado Hirunika Premachandra em um comício em Colombo.

O presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, também sentiu a desaprovação em primeira mão. Ele teve que deixar um ato quando os mineiros invadiram o palco onde ele discursaria e gritaram "Cyril deve ir embora".

burs-jxb/har/caw/st/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos