Protestos em estradas federais geram bloqueio parcial ao tráfego de caminhões

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) -Manifestações em estradas federais nesta quarta-feira prejudicaram o trânsito de veículos, além de bloquear parcialmente o tráfego de caminhões, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Os protestos ocorrem após as manifestações nacionais de 7 de Setembro. No fim da tarde, caminhoneiros ainda bloqueavam pontos de rodovias em oito Estados, de acordo com um comunicado separado do Ministério da Infraestrutura com base em relatórios da PRF.

"A PRF encontra-se em todos os locais identificados e trabalha pela garantia do livre fluxo com a tendência de fim das mobilizações até a 0h do dia 09 de setembro", disse o ministério em nota.

A pasta disse ainda que já foram debeladas 67 ocorrências com concentração de manifestantes e tentativas de bloqueio total ou parcial de rodovias durante as últimas horas.

A polícia afirmou em boletim que protestos na Rodovia Presidente Dutra (BR-116) buscam apoiar o presidente Jair Bolsonaro em sua pauta contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo nota da PRF, diversos caminhões foram estacionados nesta tarde na via lateral da Dutra, na altura de Seropédica (RJ), formando uma fila de cerca de 1 quilômetro.

Apesar do protesto, o tráfego fluía na Dutra, disse o boletim. Em outros Estados, como no Paraná, os policiais registraram manifestações, com pontos de interdição em algumas delas.

O Ministério da Infraestrutura também citou bloqueios em rodovias na Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Paraná, Maranhão, Rio Grande do Sul e Mato Grosso-- principal Estado produtor de grãos do país.

Sobre o Paraná, publicação da polícia em sua conta oficial do Twitter informou que há pontos de interdição na BR-376, em Paranavaí e Maringá.

"Estão sendo retidos apenas veículos de carga. Veículos de passageiros e cargas perecíveis estão liberados", disse a polícia.

Protestos também foram registrados nos municípios paranaenses de Paranaguá (BR-277) e Lapa (BR-476 ).

A administração portuária de Paranaguá (PR) afirmou que não havia sinais de caminhoneiros atrapalhando o fluxo de cargas para o porto.

A PRF de Santa Catarina também citou no Twitter bloqueios nas BRs 116, 282, 280, 470 e 101, somente para caminhões.

Os protestos não afetam, até o momento, o escoamento de produtos agrícolas como grãos, disse à Reuters a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), por meio da assessoria de imprensa.

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) está acompanhando os "bloqueios pontuais" juntamente com o Ministério da Infraestrutura e a PRF.

Porém, segundo a secretária-executiva de Dowstream do IBP, Valéria Lima, não houve até agora um problema maior, capaz de que impactar o abastecimento de combustíveis.

(Por Ana Mano, Nayara Figueiredo, Marta Nogueira e Rodrigo Viga Gaier; edição de Roberto Samora e Maria Pia Palermo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos