Manifestações em garagens prejudicam circulação de ônibus na zona norte de SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A operação de 33 linhas de ônibus do transporte coletivo de São Paulo foi afetada no início da manhã desta quarta-feira (9) por manifestações ocorridas em duas garagens da empresa Sambaíba Transportes Urbanos, localizadas na zona norte da cidade.

Segundo a SPTrans, a circulação dos ônibus começou a ser normalizada às 5h30, mas havia reclamação de passageiros na região ao longo da manhã.

As linhas de ônibus afetadas atendem à região central e a bairros como Santana, Tucuruvi, Casa Verde e Horto Florestal, na zona norte.

A SPTrans informou, por meio de nota, que a empresa será notificada e autuada pelo descumprimento das viagens previstas nos termos do contrato de concessão.

Em entrevista à TV Globo, o diretor de operações da SPTrans, Wagner Chagas, informou que a companhia foi pega de surpresa com a paralisação, mas, assim que ficaram sabendo, tentaram acionar a operação Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência).

"Logo em seguida, a empresa [Sambaíba] nos informou que a frota começaria a sair a partir das 5h25, 5h20 da manhã, então não teve como acionar o Paese", relatou.

O diretor reafirmou que a empresa já será autuada automaticamente por cada viagem não realizada nesta manhã.

"Além disso, estamos providenciando alguma coisa juridicamente em relação ao sindicato, porque não nos avisou, não avisou a quem quer que seja, a população ficou prejudicada na zona norte. Isso é inadmissível", acrescentou.

Em nota, o SindMotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo) informou que foram realizadas assembleias nas garagens da Sambaíba nesta madrugada "em virtude de demissões indevidas, além de atitudes desrespeitosas que teriam, segundo trabalhadores, partido por diretores da empresa".

O comunicado relata ainda que, diante dos atrasos na saída dos veículos, os diretores do sindicato foram chamados para uma reunião com a empresa. "Aproveitamos para reivindicar o pagamento da PLR, que até agora não foi definido. A falta de cumprimento por parte das empresas de ônibus em São Paulo poderá acarretar em uma nova paralisação na cidade", disse Nailton Francisco de Souza, presidente do sindicato, na nota.

A Sambaíba foi procurada, e este texto será atualizado assim que a empresa enviar uma resposta

Segundo o diretor de operações da SPTrans, todas as linhas prejudicadas já voltaram a operar normalmente, com 372 ônibus.

No início da manhã, passageiros usaram as redes sociais para reclamar da falta de ônibus.

"População sofrendo sem ônibus na zona norte. Aqui na rua os pontos estão lotados. Só queria um dia tranquilo no presencial do trabalho", disse um dos usuários de linha de ônibus afetada. "Os pontos da avenida Antonelo da Messina, na zona norte, estão lotados. Os ônibus da Sambaíba passam nos pontos cheios e nem param", disse outro.

Em junho, uma paralisação de motoristas e cobradores afetou 675 das 1.193 linhas diurnas existentes na cidade. Com isso, 6.008 ônibus, que transportariam 2,5 milhões de passageiros ao longo do dia, ficaram parados.

Na ocasião, o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 2ª região julgou que a greve dos motoristas e cobradores era abusiva pela não manutenção dos serviços essenciais. Com isso, foi determinando o retorno imediato da circulação dos ônibus na cidade.