Manifestações nos EUA contra a revogação do direito ao aborto

As manifestações pelo direito ao aborto surgiram por todos os Estados unidos na sequência da decisão do Supremo Tribunal, que revogou o direito que vigorava desde 1973.

Pelo menos oito estados impuseram proibição imediata. O Missouri foi o primeiro a proibir o procedimento na sexta-feira, não fazendo exceção para a violação ou incesto, a que se juntaram a partir de sábado pelo menos sete outros estados: Alabama, Arkansas, Kentucky, Louisiana, Oklahoma, Dakota do Sul e Utah.

Alimentando a mobilização, muitos temem agora que o Supremo Tribunal, com uma clara maioria conservadora tornada possível por Donald Trump, possa, a seguir, estabelecer a sua visão sobre direitos como o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a contraceção.

O Presidente Joe Biden - que também manifestou preocupações de que o tribunal não se detenha no aborto - falou novamente no sábado contra a sua "chocante decisão".

"Sei como a decisão é dolorosa e devastadora para tantos americanos", disse, exortando o Congresso a restaurar as proteções ao aborto como lei federal, e prometeu que a questão estaria no escrutínio nas eleições intercalares de novembro.

As mulheres em estados que restringem severamente o aborto ou o proíbem totalmente terão de continuar com a sua gravidez, submeter-se a um aborto clandestino, obter pílulas abortivas, ou viajar para outro estado onde permanece legal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos