Manifestações nos EUA pedem controles mais rígidos sobre armas de fogo

Milhares de pessoas saíram às ruas de várias cidades dos Estados Unidos neste sábado (11)  para se manifestar a favor de uma fiscalização mais rígida da venda e posse de armas de fogo após os massacres recentes, incluindo o em uma escola no Texas que chocou o país.

"Me junto a eles para reiterar meu apelo ao Congresso: faça alguma coisa", escreveu o presidente americano, Joe Biden, em sua conta no Twitter, em apoio aos protestos planejados em Washington e muitas outras cidades.

Em 24 de maio, um estudante de 18 anos matou 19 alunos e dois professores depois de invadir uma escola primária em Uvalde, Texas, perto da fronteira mexicana, com um fuzil de assalto semiautomático. Alguns dias antes, um supremacista branco da mesma idade havia assassinado dez negros em Buffalo, no nordeste dos Estados Unidos.

Esses últimos massacres, e os inúmeros tiroteios que não chegam às manchetes, provocaram novos chamados a se unirem para exigir uma melhor legislação sobre o acesso a armas de fogo.

"É hora de voltar às ruas", pede o 'March for Our Lives', movimento fundado por vítimas e sobreviventes do massacre na escola secundária de Parkland, na Flórida (sudeste), que já havia organizado uma manifestação massiva em Washington em março de 2018.

No sábado, as primeiras centenas de manifestantes chegaram ao enorme obelisco da capital americana. Um deles levava um cartaz com o desenho de um fuzil de assalto e "assassino de crianças" escrito em vermelho.

No gramado da área, foram instalados milhares de vasos com flores brancas e alaranjadas, representando o aumento da violência no país desde 2020, ano em que 45.222 pessoas foram mortas por armas de fogo, segundo a Giffords, associação de origem deste memorial. .

- Leis de "bom senso" -

"Seja quem for, caminhe conosco", escreveu David Hogg, figura importante da "March for Our Lives", em um editorial da Fox News na sexta-feira.

"Se concordarmos que matar crianças é inaceitável, então precisamos impedir que essas pessoas tenham armas nas mãos ou precisamos agir de maneira proativa para que não o façam".

As pessoas "estão fartas e é hora de pressionar o Congresso a fazer alguma coisa", acrescentou o jovem.

Biden, retomando os elementos de um discurso apaixonado que fez logo após o massacre na escola de Uvalde, também pediu aos legisladores que "aprovem leis de bom senso sobre a segurança das armas de fogo".

O presidente democrata voltou a listar as reformas que espera do Congresso: proibir a venda livre de fuzis de assalto e carregadores de alta capacidade; fortalecer as verificações de antecedentes, inclusive psicológicas, dos compradores; exigir que os civis mantenham suas armas trancadas; incentivar a denúncia em casos de medo de potenciais ações; e tornar os fabricantes de armas mais responsáveis perante o Estado.

"Não podemos voltar a falhar com o povo americano", escreveu no Twitter.

- Negociações no Senado -

Biden repetiu sua promessa de reprimir a violência com armas de fogo que os sucessivos governos não conseguiram conter.

Mas em um país onde quase um em cada três adultos possui pelo menos uma arma, os conservadores se opõem fortemente a qualquer movimento que considerem que possa ir contra os direitos dos "cidadãos cumpridores da lei".

A Câmara dos Deputados votou na quarta-feira para proibir a venda de fuzis semiautomáticos e carregadores de alta capacidade para menores de 21 anos, entre outras coisas.

A medida quase não tem chance de ser aprovada no Senado, onde precisa do apoio de dez conservadores.

Ao mesmo tempo, representantes de ambos os partidos estão reunidos para tentar encontrar um texto de compromisso que possa reunir a maioria necessária.

wd-ube/fff/dga/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos