Manifestação pelo clima em Madri tem Amazônia na pauta e protagonismo indígena

Foto: Miquel Benitez/Getty Images

Milhares de pessoas se reuniram em Madrid para marchar pelo fim das mudanças climáticas e a adoção, por parte dos países, de políticas de desenvolvimento econômico sustentável. O ato se iniciou às 17h30, horário local, no bairro de Atocha, ao sul da capital Madri.

Os defensores do clima e meio ambiente marcharam por cerca de 2km sentido à região central da cidade, no bairro de Nuevos Ministerios.

Participaram da manifestação pessoas de todo o mundo, com cartazes e gritos de ordem contra a queima de combustíveis fósseis e de florestas. A Amazônia foi tema recorrente entre os presentes.

A estimativa do público presente oscilou de acordo com as fontes. Segundo a polícia local, 15 mil pessoas participaram do ato. A ONG internacional Climate Action Network calcula em 500 mil pessoas no local.

A líder indígena brasileira, Sônia Guajajara, participou da manifestação e ressaltou em entrevista para o Yahoo! da importância do ato.

“Essa luta não é apenas de um povo, organização ou coletivo. Essa luta é de todos nós. E nós indígenas há mais de 500 anos somos os primeiros a serem impactados, os primeiros atacados e continuamos até hoje”.

Ao fim, Sônia e outros indígenas participaram da cerimônia de encerramento da manifestação, em um palco na região central da cidade. Os indígenas anunciaram os problemas que recaem sobre os povos indígenas e as comunidades tradicionais no país e ressaltaram a necessidade desses grupos participarem das discussões climáticas no mundo.

A manifestação fez parte do encerramento da primeira semana de atividades da Conferência do Clima (COP25), que ocorre em Madri. O encontro, previsto para Santiago no Chile, reúne ativistas de todo o planeta e líderes de Estado para a construção de acordos para frear as mudanças climáticas no mundo.

Uma das principais pautas do encontro é a tentativa de sacramentar e definir os detalhes ainda pendentes do Acordo de Paris, criado em 2015.