Manifestante morre durante protestos contra reeleição no Paraguai

Por Daniela Desantis

Por Daniela Desantis

ASSUNÇÃO (Reuters) - Um manifestante foi morto no Paraguai após o Senado votar secretamente uma emenda constitucional que permitiria ao presidente Horácio Cartes se candidatar à reeleição, desencadeando confrontos violentos e ataques ao Congresso do país.

De acordo com a oposição paraguaia, Rodrigo Quintana, de 25 anos, teria sido atingido por uma bala de borracha disparada pela polícia na sede do grupo de ativistas juvenis liberais.

O Ministério do Interior declarou que uma investigação sobre a morte de Quintana será aberta. Segundo o médico da vítima, ele teria sofrido uma grave lesão na cabeça.

Neste sábado, ativistas estavam chegando à capital do Paraguai, Assunção, e no interior do país, num sinal de que os protestos violentos que resultaram em um incêndio no primeiro andar do Congresso na sexta-feira poderiam continuar.

Através de seu perfil no Twitter, Cartes pediu calma e uma rejeição de violência. Ele prometeu que o governo faria seu melhor para manter a ordem.

Os bombeiros conseguiram controlar as chamas depois que manifestantes deixaram o prédio na noite de sexta-feira, embora os protestos e tumultos continuassem em outras partes de Assunção e do país até as primeiras horas deste sábado.

Cerca de 200 manifestantes foram detidos, segundo a polícia, e lojas e edifícios do governo foram vandalizados.

Vários políticos e jornalistas ficaram feridos, segundo a mídia local, e o ministro do Interior, Tadeo Rojas, afirmou que vários policiais foram feridos.

Um integrantes do Congresso, que participava de protestos naquela tarde, sofreu cirurgia depois de ser atingido por balas de borracha.

Reuniões para o conselho anual de governadores do Banco Interamericano de Desenvolvimento começaram como programado neste sábado, em um raro evento internacional de alto nível no Paraguai.

Embora, por muito tempo, o Paraguai tenha sofrido com a incerteza política, nos últimos anos a nação exportadora de soja e carne bovina vem atraindo investimentos nos setores de agricultura e manufatura, já que a Cartes ofereceu incentivos fiscais aos investidores estrangeiros.

A instabilidade no país de 6,8 milhões de habitantes é uma preocupação para seus vizinhos Brasil e Argentina.