Manifestantes australianos questionam papel da monarquia

Na Austrália, o dia de luto nacional pela Rainha Isabel II colocou a nu conceitos antagónicos em relação à monarquia.

Os dignitários, incluindo o representante da soberana na Austrália, prestaram homenagem numa cerimónia no parlamento em Camberra.

Entre os oradores, o primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, que quer que a Austrália substitua o monarca britânico por um chefe de Estado australiano.

"Talvez a maior homenagem que podemos oferecer à sua família e à sua memória não seja uma estátua de mármore ou uma placa de metal, mas sim um abraço renovado de serviço à comunidade, uma compreensão mais verdadeira do nosso dever para com os outros, um compromisso mais forte para com o respeito por todos," afirmou o primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese.

Mas esses sentimentos não se refletiam noutros locais do país. Em Melbourne centenas de pessoas protestaram, afirmando que a monarquia desempenhou um papel no impacto prejudicial da colonização britânica sobre os povos indígenas.

"Se voltarmos aos documentos legais e a todos os documentos que encarceraram o nosso povo, era a sua assinatura que estava neles, e por isso ela não é inocente de forma alguma," explicou um manifestante.

Duas sondagens de opinião publicadas desde a morte da rainha mostram que a maioria dos australianos quer continuar a ser uma monarquia constitucional.

Os republicanos dizem que esta é uma reação temporária à intensa cobertura mediática de uma figura extremamente popular.