Manifestantes bolsonaristas atacam carros da PRF em rodovia no Pará

Manifestantes bolsonaristas protestam em frente ao Comando do Exército, em Brasília

(Reuters) - Manifestantes bolsonaristas que bloqueavam a BR-163 no município de Novo Progresso, no Pará, em protesto que defende um golpe contra o resultado da eleição presidencial, apedrejaram e lançaram objetos contra carros da Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante ação para desbloquear a via nesta segunda-feira, deixando ao menos um agente ferido.

Vídeos do incidente divulgados nas redes sociais mostram os manifestantes atirando pedras, pedaços de madeira, fogos de artifício e vários objetos contra os veículos da PRF. Segundo o portal de notícias G1, também houve disparos de armas de fogo, mas nenhum atirador foi identificado.

De acordo com a PRF, um policial rodoviário ficou ferido e uma criança que estava com os manifestantes precisou receber atendimento médico após passar mal.

"A respeito dos recentes vídeos divulgados em redes sociais sobre a ação da Polícia Rodoviária Federal em Novo Progresso (PA), cumpre esclarecer que a operação tem o objetivo de desbloquear um trecho da rodovia federal BR-163 que está sendo obstruído por manifestantes. Durante o confronto, a criança que aparece nas imagens passou mal, foi socorrida pelos policiais rodoviários federais, levada ao pronto atendimento, passa bem e já recebeu alta médica. Na mesma ocorrência, um policial rodoviário federal acabou sendo ferido pelos manifestantes", disse a PRF em nota.

O protesto na BR-163 faz parte das manifestações que visam impedir o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva de tomar posse em janeiro após derrotar o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições presidenciais do mês passado.

Até o momento a PRF já desfez mais de 1.000 manifestações em rodovias pelo país, mas 4 bloqueios e 15 interdições permaneciam ativos na tarde desta segunda, segundo balanço da polícia. Mato Grosso concentrava três dos bloqueios, com o quarto em Santa Catarina.

Os pontos de manifestações recuaram depois que o próprio Bolsonaro fez pronunciamento na semana passada pedindo o desbloqueio das rodovias, apesar de afirmar que outros protestos contra o resultado da eleição são "do jogo democrático". No auge dos protestos, mais de 320 bloqueios e interdições simultâneos chegaram a ser registrados em 26 Estados pela PRF.

Além dos atos golpistas nas estradas, apoiadores de Bolsonaro têm se reunido na porta de unidades do Exército em cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília, para pedir a intervenção das Forças Armadas. Nesta segunda-feira, centenas de manifestantes bolsonaristas e diversos caminhões fizeram um ato em frente ao Comando do Exército na capital para pedir intervenção federal.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira que polícias militares e civis dos Estados e do Distrito Federal, assim como a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal, enviem em até 48 horas todas as informações sobre a identificação dos caminhões e veículos que participaram dos bloqueios e manifestações em frente aos quarteis das Forças Armadas.

As corporações terão de repassar dados dos proprietários, sejam pessoas físicas ou empresas. Ele também determinou no mesmo período que informem se identificaram os líderes, organizadores e financiadores desses atos antidemocráticos.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro; Reportagem adicional de Ricardo Brito, em Brasília)