Manifestantes exigem verdade sobre acidente ferroviário que matou 57 pessoas

Terminaram as operações de resgate em Tempe, na Grécia, onde dois comboios chocaram matando 57 pessoas.

Alguns corpos ou o que restou deles começaram a ser entregues às famílias, depois de terem sido identificados por testes de ADN.

Mas há familiares que ainda desesperam por informações, como Mirella Ruci, cujo filho está dado como desaparecido. “Nem está na lista dos feridos, nem na lista dos desaparecidos. Até agora não tenho informações de onde ele possa estar. Ele estava numa carruagem de onde muitas crianças foram resgatadas. Estou a implorar a qualquer pessoa que tenha saído daquela carruagem que me diga se o viram no assento 22", disse.

Em Atenas, os estudantes realizaram uma marcha a exigir a verdade sobre o acidente ferroviário. Em frente ao Parlamento, houve um minuto de silêncio em memória das vítimas. A marcha terminou em frente à sede da companhia ferroviária privada Hellenic Train, acusada de negligência e falhas que estarão alegadamente na origem do acidente.

A vermelho foi escrita a palavra "assassinos".