Manifestantes golpistas já levaram quase mil multas que somam R$ 5,5 milhões

Manifestantes estão sendo retirados pelas PMs; quem fica, é multado (AP Photo/Silvia Izquierdo)
Manifestantes estão sendo retirados pelas PMs; quem fica, é multado (AP Photo/Silvia Izquierdo)

O Ministério da Justiça divulgou nesta quarta-feira que já aplicou 912 multas, no valor total de R$ 5,5 milhões, contra manifestantes que bloqueiam rodovias por todo o país. Os dados foram divulgados em meio à pressão feita pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e pelo Ministério Público Federal por ações efetivas da pasta e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na liberação das vias.

Em nota, o ministério afirma que os valores das multas dependem do tipo de infração e podem variar entre R$ 5 mil e R$ 17 mil. Diz ainda que, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, é penalizado com infração gravíssima o condutor que utilizar veículo para interromper a circulação em vias públicas. A multa mais cara, de R$ 17 mil, é destinada àqueles identificados como organizadores dos bloqueios.

Desde a noite de domingo, manifestantes bolsonaristas começaram a bloquear rodovias por todo o país em protesto contra o resultado da eleição do domingo, na qual sagrou-se vencedor o candidato do PT Luiz Inácio Lula da Silva. Nesta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro se pronunciou e criticou os bloqueios nas estradas.

Nos estados, o Ministério Público Federal tem apontado suspeitas de que a PRF não está agindo de forma efetiva para desobstruir as vias. O ministro do STF Alexandre de Moraes chegou a escrever, em decisão proferida na noite de segunda, que o diretor-geral da corporação, Silvinei Vasques, poderia ser alvo de prisão em flagrante caso não tomasse providências.

Base bolsonarista pede fim dos bloqueios golpistas

Os líderes do governo de Jair Bolsonaro (PL) no Senado e na Câmara pediram o fim das manifestações golpistas que bloqueiam diversas rodovias no país ao não aceitarem o resultado das eleições. As declarações de Carlos Portinho (PL-RJ), líder no Senado, e de Ricardo Barros (PP-SP), líder na Câmara, foram publicadas nas redes sociais nesta terça-feira (1º).

O senador Carlos Portinho (PL-RJ) afirmou que “nem toda manifestação popular é democrática” e acredita ser preciso “aprender a ganhar e a perder”.