Manifestantes jogam tinta vermelha em fachada da Prevent Senior

·2 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 30-09-2021:  O Levante Popular da Juventude faz um ato escracho na sede da Prevent Senior por justiça aos mortos nos hospitais da empresa. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 30-09-2021: O Levante Popular da Juventude faz um ato escracho na sede da Prevent Senior por justiça aos mortos nos hospitais da empresa. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio às denúncias que envolvem a Prevent Senior, na manhã desta quinta-feira (30), um grupo de 40 manifestantes protestou em frente à sede administrativa da empresa, localizada no Paraíso, na zona sul de São Paulo.

No ato, que foi organizado pelo Levante Popular da Juventude, a fachada da operadora de saúde foi pintada de vermelho. Além disso, na calçada foi escrito "assassinos" em tinta branca.

Uma das manifestantes usava uma máscara com o rosto do presidente Jair Bolsonaro e uma faixa verde e amarela com a palavra "assassino". Nas mãos, um cartaz que imita a embalagem de remédio escrito "kit covid", "assassinato premeditado", "contém 30 mortes em comprimido" e "venda sob prescrição do governo genocida".

O ato, que durou 15 minutos, foi embalado por gritos como "Prevent assassina" e "a Prevent mata e chama óbito de alta".

Júlia Aguiar, coordenadora nacional do Levante Popular da Juventude, disse que o ato foi uma denúncia. "Não queremos que uma empresa como essa seja referência de um governo no combate à pandemia. A gente quer a valorização do SUS e cuidado para que o povo brasileiro possa ter segurança", diz.

Logo após o ato, quando os manifestantes já tinham ido embora, quatro viaturas da Polícia Militar foram ao local a fim de investigar o ocorrido. À Folha, um dos policiais informou que a PM recebeu ligação sobre o ato e disse que seria realizada uma averiguação do local.

Funcionários da empresa também se reuniram na calçada para falar com os policiais.

CPI DA COVID A operadora de plano de saúde está no centro da CPI que investiga o combate à pandemia de Covid-19 no país. A empresa é acusada de ter administrado sem consentimento medicamentos sem comprovação científica contra o coronavírus em pacientes que buscaram atendimento em suas unidades.

A Prevent Senior também é acusada de adulterar o registro de casos de coronavírus atendidos na rede.

Pacientes ilustres, como o infectologista Anthony Wong e a mãe do empresário Luciano Hang, Regina Modesti Hang, morreram por complicações da Covid-19, mas o diagnóstico não consta nos respectivos prontuários médicos e atestados de óbito.

O jornalista Diogo Mainardi acusou a operadora de ter omitido a causa da morte de seu pai. O publicitário Enio Mainardi morreu em agosto de 2020 após diagnóstico de Covid e tratamento em uma das unidades da empresa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos