Manifestantes no Rio cobram justiça pela morte de homem negro espancado em supermercado

O Globo
·3 minuto de leitura
Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

RIO — Um grupo de manifestantes se reune em uma unidade da rede de supermercados Carrefour, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, para protestar contra a morte de João Alberto Silveira Freitas, 40 anos, espancado até a morte em uma das lojas da rede em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, na noite desta quinta-feira (19). O ato começou por volta de 16h. Entre os participantes estão artistas como Pretinho da Serrinha, Nego do Borel, Tico Santa Cruz e Patricia Pillar.

Um dos organizadores e participantes é o comunicador Raull Santiago, líder comunitário do Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, que divulgou o ato nas redes sociais e celebrou a participação dos manifestantes.

— No dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, quando deveríamos estar reunidos para refletir a importância da história do nosso povo, estamos aqui mais uma vez lutando contra um caso de violência brutal contra um dos nosso irmãos. Esse Brasil não pode continuar — lamentou.

Os manifestantes entraram na loja e encheram carrinhos de compra em protesto. O grupo percorreu os corredores e proferiu palavras de ordem como "Vidas negras importam", "racistas não passarão" e "Carrefour assassino". Durante o ato, houve discussões com alguns clientes que não concordavam com a realização do protesto.

Atos contra a morte de João Alberto também foram organizados em outras cidades do Brasil nesta sexta, como Belo Horizonte e Porto Alegre.

'Ele pediu ajuda'

A cuidadora de idosos Milena Borges Alves fazia compras com o marido, João Alberto, quando o viu sendo abordado por cinco pessoas que trabalhavam no estabelecimento. Segundo a esposa, a vítima chegou a pedir ajuda antes de morrer, mas continuou sendo imobilizado pelos seguranças.

Em entrevista à "Rádio Gaúcha", Milena afirmou que ele não fez nenhum gesto agressivo para a funcionária do mercado. Milena contou que estava pagando as compras e, quando chegou ao estacionamento, seu marido já estava imobilizado e pedindo ajuda.

"Eu estava pagando no caixa. Ele desceu na minha frente. Quando cheguei, ele já estava imobilizado. Ele pediu ajuda, quando fui, os seguranças me empurraram. Ele disse: 'Milena me ajuda', mas os seguranças não deixaram me aproximar. Seguiram com o pé em cima dele, e quando desmaiou, continuaram com o pé em cima dele. Um pé nas costas eu vi", contou.

Leia a nota completa do Carrefour:

"Sobre a brutal morte do senhor João Alberto Silveira Freitas na loja em Porto Alegre, no bairro Passo D’Areia: O Carrefour informa que entrará com uma queixa-crime contra os responsáveis. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente.

Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais."