Manifestantes protestam após morte de jovem em Niterói e culpam PM: 'carregaram como se fosse lixo'

·1 min de leitura

Dezenas de manifestantes interditaram a Rua Presidente Pedreira, no Ingá, em Niterói, no fim da tarde desta quarta-feira. Com cartazes em punho, eles protestam contra a morte de um adolescente, identificado apenas como Elias. Segundo relatos, o jovem teria sido morto durante uma ação da Polícia Militar no Morro do Palácio.

Um dos cartazes diz: "Elias é mais um. Na favela é assim: primeiro atira, depois pergunta." De acordo com o relato de uma moradora, policiais militares teriam colocado o corpo do menino já morto dentro de uma viatura policial e levado do local. A Secretaria estadual de Polícia Militar nega a informação e afirma que a vítima baleada no confronto foi socorrida para o Hospital estadual Alberto Torres e morreu na unidade.

— Eu posso falar porque eu vi. Estavam carregando ele como se fosse um lixo. Jogaram ele na Blazer como se fosse nada. Uma coisa muito triste. Poderia ser o filho de qualquer um aqui. Acho que isso não pode ficar impune. Mais uma cena muito triste. Ninguém merece passar por isso — disse a moradora.

Procurada, a Secretaria estadual de Polícia Militar informou que equipes do 12° BPM (Niterói) foram atacadas enquanto realizavam um patrulhamento em uma das vias que dão acesso ao morro. "A equipe abordava um suspeito quando foi atacada a tiros, gerando um confronto", diz a nota, que continua: "Após estabilizar a situação, um homem foi encontrado baleado e com ele, foi recolhido uma pistola 9mm. Ele foi socorrido ao Hospital Estadual Alberto Torres e não resistiu".

Ainda na ação, dois homens foram presos com material entorpecente (ainda a contabilizar). A ocorrência foi encaminhada para a 76ª DP.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos