Manifestantes protestam contra Bolsonaro no Dia da Consciência Negra

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
People take part in a demonstration against racism on Black Consciousness Day in Sao Paulo, Brazil, on November 20, 2021. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
People take part in a demonstration against racism on Black Consciousness Day in Sao Paulo, Brazil, on November 20, 2021. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
  • Atos contra o presidente Jair Bolsonaro lotaram ruas de dezenas de capitais brasileiras neste sábado

  • Manifestantes protestaram contra o aumento da fome no Brasil e a disparada na inflação

  • Protestos também tiveram frases antirracistas no Dia da Consciência Negra

Atos antirracistas contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) lotaram ruas de dezenas de capitais brasileiras neste sábado (20), Dia da Consciência Negra. Manifestantes, ligados a movimentos sociais e estudantis e partidos políticos, protestaram contra o aumento da fome no Brasil e a disparada na inflação.

Em São Paulo, manifestantes se reuniram na Avenida Paulista para a 18ª Marcha do Dia da Consciência Negra. Houve apresentações de samba, rodas de capoeira e dança, além de gritos contra Bolsonaro. Uma faixa com a frase "Direitos pela Vida Negra" foi estendida na via. No interior paulista, Sorocaba e Jundiaí também registram protestos antirracistas e contra o governo federal.

O Rio de Janeiro teve manifestações no monumento Zumbi dos Palmares, no centro da capital fluminense, que recebeu uma série de atividades para celebrar a data. Houve dança, capoeira, falas de representantes do movimento negro e críticas ao governo. O evento aconteceu durante toda a tarde, com atrações gastronômicas e o Grupo de Maracatu Nação, formado por mulheres.

Em Belo Horizonte, o ato aconteceu na Praça da Liberdade e contou com movimentos sociais que lutam pela igualdade de gênero e contra o racismo. Os participantes carregaram cartazes contra Bolsonaro e pediram pelo impeachment do presidente.

Manifestantes de vários municípios de Alagoas subiram a Serra da Barriga, em União dos Palmares, para protestar contra o racismo e o presidente, além de relembrar Zumbi, líder do histórico Quilombo dos Palmares, assassinado em 20 de novembro de 1695.

No Ceará, os participantes saíram do Passeio Público, no centro de Fortaleza, e caminharam até a Praça dos Leões. Eles exibiram faixas com os dizeres "Vidas negras importam", protestaram contra o preconceito racial, o aumento da fome e da violência contra as mulheres e pediram o impeachment de Bolsonaro.

O ato em Goiânia se concentrou na Praça Universitária. O grupo protestou contra o racismo no país e criticou o governo federal, a inflação dos alimentos e a volta do Brasil ao Mapa da Fome.

Ainda no Centro-Oeste, manifestantes de Cuiabá fizeram um ato no Centro Histórico pelo Dia da Consciência Negra e contra Bolsonaro. Segundo os organizadores, o evento reuniu cerca de 200 pessoas. Os protestos antirracistas e contrários ao governo federal no Mato Grosso do Sul ocorreram nesta manhã em Campo Grande. O grupo carregou cartazes com os dizeres "Fora Bolsonaro" e contrários a reforma administrativa da PEC 32.

No Pará, a capital Belém e a cidade de Altamira tiveram atos contra o racismo, a fome, a reforma administrativa do governo federal. Eles também se manifestaram contra Bolsonaro e defenderam a política de cotas raciais. Em Altamira, os manifestantes também protestaram pelo fim da discriminação de gênero e da violência contra as mulheres.

Pelo menos quatro cidades de Santa Catarina registraram atos contra Bolsonaro. Em Florianópolis e Joinville, famílias, movimentos sociais e representantes de partidos políticos pediram moradia digna para todos, o fim da morte das populações negras e o impeachment do presidente. Em Blumenau e Chapecó, os manifestantes também protestaram contra a privatização dos correios. Com informações do portal G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos