Manobras navais inéditas dos EUA e países asiáticos em setembro

Navio militar da marinha americana, que tradicionalmente controla a zona marítima do Sudeste Asiático

Os Estados Unidos anunciaram que organizarão em setembro, junto com dez países do Sudeste Asiático, manobras navais inéditas, em um contexto de disputa crescente nesta região entre Washington e Pequim.

A US Navy é tradicionalmente a força naval dominante no Sudeste Asiático, mas o aumento da presença americana ocorre em um momento de escalada na guerra comercial entre Estados Unidos e China.

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, participou em agosto de uma cúpula regional com dez países-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), com o objetivo de promover a estratégia "indopacífica" do presidente Donald Trump, que tem como objetivo desafiar a China.

A marinha americana e as de dez países da Asean organizarão manobras militares conjuntas em 2 de setembro, indicou na sexta-feira à noite a embaixada dos EUA em Bangcoc.

Estes exercícios começarão a partir de uma base naval no leste da Tailândia e ocorrerão sobretudo nas águas do sul do Vietnã, informou a mesma fonte.

Washington e Pequim, imersos em uma guerra comercial desde 2018, disputam o controle do mar da China Meridional, no qual as autoridades chinesas reivindicam por motivos históricos a soberania de quase todas as ilhas e recifes.

O gigante asiático defende suas reivindicações nesta zona, crucial para o comércio mundial, instalando armamento em pequenas ilhas.

Os Estados Unidos consideram que estas ações põem em risco a segurança da região e a marinha americana realiza regularmente operações conhecidas como "liberdade de navegação", para enfrentar a China.

Apesar das diferenças sobre o controle desta zona com quatro países-membros da Asean (Malásia, Vietnã, Filipinas e Brunei), Pequim realizou no ano passado exercícios militares conjuntos com esta organização regional asiática.