Feminicídios tomam noticiário do país enquanto projeto auxilia as crescentes vítimas de violência doméstica

·5 min de leitura
Geilza da Silva Alves (41 anos) e Alan Alves de Souza (27 anos) foram mortos por ex-companheiro da mulher no Rio de Janeiro; Crime aconteceu no início de novembro - Foto: Reprodução
Geilza da Silva Alves (41 anos) e Alan Alves de Souza (27 anos) foram mortos por ex-companheiro da mulher no Rio de Janeiro; Crime aconteceu no início de novembro - Foto: Reprodução
  • Casos de feminicídio têm ganhado as manchetes do país nos últimos meses

  • Longa extensão da pandemia agravou problema estrutural de violência de gênero

  • Projeto busca auxiliar jurídica e psicologicamente vítimas de violência doméstica

Novembro é o mês em que se celebra, no dia 25, o Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher. A data simbólica é para denunciar a violência de gênero no mundo todo, além de exigir políticas públicas que ajudem na sua erradicação.

O Brasil, no entanto, não parece caminhar nessa direção. A longa extensão da pandemia de Covid-19 piorou ainda mais os índices do país no que se refere à questão. De acordo com pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios, a violência contra as mulheres cresceu em 20% das cidades do país desde o início da crise sanitária.

No Rio de Janeiro, por exemplo, em 2020, uma mulher foi vítima de violência física a cada 15 minutos no Estado. Boa parte desses casos parte dos próprios companheiros ou familiares. Até por isso, outro dado alarmante expõe o tamanho do drama vivido pelas mulheres brasileiras: em quase 20% dos casos de 2020, filhos presenciaram o assassinato de suas mães.

Todo esse quadro explica porque 77% das mulheres no país dizem sentir medo ao sair de casa, de acordo com pesquisa realizada pelos Institutos Patrícia Galvão e Locomotiva. Agravada recentemente pela pandemia, a questão é um problema estrutural no Brasil e possui outros componentes como o crescente aporte de armas entrando no país. Um levantamento do Instituto Sou da Paz mostra que, nos últimos 20 anos, 51% das mortes violentas de mulheres foram provocadas por armas de fogo.

Casos recentes ganharam repercussão nacional

Joice Maria da Glória Rodrigues, 25 anos, teve o corpo encontrado em uma obra de São Vicente no litoral paulista — Foto: Arquivo Pessoal
Joice Maria da Glória Rodrigues, 25 anos, teve o corpo encontrado em uma obra de São Vicente no litoral paulista — Foto: Arquivo Pessoal

No mês passado, um caso chocante tomou as manchetes do país após um episódio de sexo casual virar homicídio de uma jovem com corpo concretado em uma parede. Também em outubro, uma mulher foi morta em um condomínio de alto padrão em Salvador. Apenas no início de novembro, o Yahoo! noticiou as seguintes histórias:

Para Ana Beatriz El Kadri, advogada e coordenadora do Mapa do Acolhimento, sempre houve um "problema sistêmico contra as mulheres no Brasil" que acabou agravado pelas crises sociais e econômicas acentuadas pela longa duração da pandemia por aqui.

"Durante esse período da pandemia houve um desmonte [de estruturas públicas que auxiliam mulheres que sofrem de violência doméstica]. Houve um conjunto de elementos que desembocou num aumento de feminicídios". Ao Yahoo!, ela lembra que em 2020, dos R$ 120 milhões disponíveis no orçamento federal das políticas públicas para mulheres, apenas R$ 35 milhões foram empregados.

El Kadri ressalta que o problema da violência de gênero é "complexo e multifacetado" e, portanto, necessita de articulação para ser combatido. Até por isso, a advogada critica a inação do governo Jair Bolsonaro (sem partido) no trato da questão.

Ela explica também que o atendimento a vítimas de violência não é convencional e que, portanto, demanda investimento.

"Existe uma lógica patriarcal que acaba operando dentro das políticas públicas. O governo precisa utilizar o dinheiro para formar uma equipe especializada e viabilizar uma boa implementação dessas políticas. Os servidores da ponta precisam de capacitação para tratar as vítimas sem julgamentos, realizando uma escuta ativa", explica ela.

O quesito econômico também é determinante em diversas situações. "O elemento da dependência econômica é um dos fatores que infelizmente acaba influenciando na permanência da mulher num círculo de violência, exatamente por falta de condições financeiras (...) Por isso o Estado tem que fornecer recurso. Por isso falamos tanto, entre outras coisas, de renda básica", pondera a advogada.

Segundo ela, é preciso ter em mente também que o problema atinge não só as mulheres cisgênero. De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), o Brasil é o país que mais mata transsexuais no mundo.

Mapa do Acolhimento

Projeto criado para auxiliar vítimas da violência de gênero no país já encaminhou mais 8.000 pedidos de ajuda - Foto: Reprodução/Site oficial
Projeto criado para auxiliar vítimas da violência de gênero no país já encaminhou mais 8.000 pedidos de ajuda - Foto: Reprodução/Site oficial

O Mapa do Acolhimento é uma rede de solidariedade que conecta mulheres que sofrem ou sofreram violência de gênero a psicólogas e advogadas voluntárias. Mulheres cis, mulheres transexuais e homens transexuais maiores de 18 anos, de qualquer parte do Brasil e que não possuam renda para pagar pelos atendimentos podem buscar ajuda via plataforma.

"Nosso número de pedidos de ajuda girava em torno de 12 a 15 por dia, mas com a pandemia esse número passou a ser de 20 a 25", conta El Kadri, que é coordenadora do projeto. Segundo ela, a equipe do Mapa do Acolhimento recebeu diversos relatos de mulheres que estavam com dificuldades de acessar serviços públicos que pudessem auxiliá-las. Ao acessar a plataforma, a pessoa que busca ajuda preenche um cadastro básico e, na sequência, recebe o contato da voluntária mais próxima dela em poucos minutos.

A coordenadora diz que o projeto já encaminhou mais de 8 mil pedidos de ajuda e cadastrou mais de 4 mil voluntárias.

"No caso de mulheres que já estavam em uma situação de violência houve um aumento do grau de vulnerabilidade", diz a advogada. Ao Yahoo!, El Kadri contou que o Mapa do Acolhimento nasceu como uma campanha do NOSSAS - uma organização que impulsiona o ativismo no Brasil -, depois que um estupro coletivo ocorrido no Rio de Janeiro em 2016 escancarou a urgência do combate à violência contra as mulheres no Brasil.

Como ajudar e ser ajudada

  • Para se inscrever: Caso você se enquadre no perfil atendido e deseja receber ajuda, basta se inscrever no site: queroseracolhida.mapadoacolhimento.org

  • Para ser voluntária: Para quem é advogada ou psicóloga e deseja participar da rede de voluntárias, basta se inscrever no: queroacolher.mapadoacolhimento.org

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos