Maquinistas do Reino Unido farão greve no mês que vem em ação coordenada

Trabalhadores do setor ferroviário fazem piquete do lado de fora de estação em Londres

LONDRES (Reuters) - .Milhares de maquinistas britânicos farão uma nova paralisação de dois dias no próximo mês, por conta de uma disputa salarial, disseram os principais sindicatos de trabalhadores do transporte do país nesta terça-feira, em uma ação coordenada que causará mais interrupções nas viagens.

O sindicato ASLEF disse que cerca de 12.500 maquinistas participarão de greves planejadas para 1º e 3 de fevereiro após rejeitar uma proposta de pagamento, enquanto o sindicato RMT disse que algumas centenas de seus membros em 14 operadoras ferroviárias entrarão em greve nas mesmas datas.

Os funcionários ferroviários têm entrado em greve regularmente desde o verão passado, em busca de melhores salários para lidar com o aumento dos preços. Sua última rodada de ação durante o feriado de Natal impactou as vendas em algumas empresas do setor de hospitalidade.

Com o Reino Unido enfrentando seu período mais sério de agitação industrial em décadas, professores e 100.000 outros funcionários do setor público, incluindo as equipes de fiscalização de fronteira, também devem entrar em paralisação em 1º de fevereiro por causa de disputas salariais.

No início deste mês, o órgão da indústria ferroviária Rail Delivery Group (RDG), disse que ofereceu à ASLEF uma oferta de pagamento melhorada em troca de reformas na forma como as ferrovias são administradas. O secretário-geral do ASLEF, Mick Whelan, disse na terça-feira que a proposta "não era e nunca poderia ser aceitável".

"Eles querem rasgar nossos termos e condições em troca de um corte salarial real", disse Whelan, acrescentando que o sindicato está disposto a se envolver em mais discussões.

(Reportagem de Kylie MacLellan e Farouq Suleiman, reportagem adicional de Muvija M)