Marília Gabriela abre o jogo sobre solidão: "depois das 18h, ninguém me liga, fico só"

Marília Gabriela ri ao ouvir a comparação de que entrevistá-la seria o equivalente a chamar a rainha Marta para “bater uma bolinha”. Apesar da gargalhada, a jornalista, que neste 2023 completa 75 anos, não ignora a própria trajetória. Diz que entrevistou todo mundo que quis e, portanto, está um “bocado cansada” de compromissos profissionais e de uma vida social badalada. Tem buscado o prazer em ser uma pessoa livre de agendas rigorosas e apta a se lançar às leituras e aos filmes que sempre quis. “Cheguei a me emocionar vendo o documentário da Selena Gomez”, confessa.

Apesar da calmaria, sentiu um comichão nos últimos meses parar entender a louvação ao redor de influenciadores digitais. E preparou uma série no YouTube, com investimento próprio, para receber nomes relevantes do metiê. Ficou bravíssima ao notar que alguns de seus seguidores reprovaram a ideia.

Faz mistério se vai voltar ao trabalho, e confessa que alguns lapsos recentes de memórias a fazem ficar de fora do mercado e a valorizar a tranquilidade e uma diminuta palavra: o não. Manda também um recado aos críticos: “Estou viva”.

Ainda ladeada do paradoxo entre gostar de conversar com as pessoas e uma profunda timidez, abraçou a solidão após às 18h, quando só tem a si mesma de companhia. Aproveita o momento mais, digamos, recluso para começar a escrever o seu livro de memórias. Na conversa a seguir, adianta algumas e fala sobre culpa materna, críticas que recebeu nas redes sociais e a vida aos quase 75 anos. “Falei exatamente o que você esperava, não é?”, divertiu-se. Abaixo, os melhores trechos.

Confira a entrevista completa no link

Por que voltar com um programa de entrevistas justamente com influenciadores? Fiquei curiosa em saber quem são essas pessoas, de onde vem o poder extraordinário de ter milhões de seguidores que te amam, te idolatram. Achei todos ótimos. Fiquei possuída quando menosprezaram alguns. No meu Instagram, diziam que adoravam minhas entrevistas mas se recusavam a ver essas, especialmente com o MC Cabelinho. São pessoas que não param para pensar que eles devem ter algo de especial para ter tanta gente os seguindo.

Vai continuar? Adoro falar com outras pessoas para conhecê-las e para me reconhecer nelas. Acho que o mecanismo que me levou a fazer o que fiz até hoje na vida foi esse de me procurar nos outros. Esse programa, como foi, talvez não faça mais. Mas como tem meu filho (Teodoro) e mais um monte de gente envolvida, se tiver patrocínio — porque é uma brincadeira caríssima — sou capaz de fazer novas entrevistas. Mas com outro tipo de gente.

Onde está a sua libido, que é energia vital? Em todas essas atividades que resolvi fazer na vida. Fico bem com as meninas (que trabalham comigo). Depois das 18h, ninguém me liga, fico só. Nas viagens sinto prazer. Quando os filhos se reúnem, é uma maravilha, teatro é outro prazer.

Você tem fome de quê? Vontade de quê? De nada. Estou muito bem. Não sei se dá para acreditar, mas estou tranquila pela primeira vez. Leio, vejo filmes e viajo quando quero. E aí, quando tive vontade de ler e ouvir falar tanto dessa nova gente, decidi entrevistar os influenciadores.