Maracanã: Troca da grama natural por sintética tem prós e contras; saiba quais

Alternativa para o Maracanã aguentar a demanda de partidas de Flamengo, Fluminense e Vasco, a grama sintética tem como benefício, além da maior resistência, aspectos financeiros importantes. Seu custo de manutenção é menor e, ao permitir a realização de mais jogos e também de shows no estádio, ela potencializa as receitas.

Atualmente, o Maracanã não recebe shows justamente devido ao estrago que a montagem e desmontagem da estrutura causa à grama natural. Desde que o Flamengo assumiu o controle do estádio, com o Fluminense como interveniente, o foco tem sido o futebol. Com isso, o estádio perdeu uma importante fonte de receita.

O Palmeiras paga a construção do Allianz Parque justamente com os shows que o estádio recebe. Os danos ao gramado eram um problema no acordo com a WTorre até a troca da grama, em fevereiro de 2020.

— Na grama sintética, você vê que a qualidade do campo é a mesma, desde o primeiro até o último minuto do jogo. Os shows acontecem e a qualidade segue a mesma — afirmou Alessandro Oliveira, CEO da Soccer Grass, empresa responsável pela grama sintética do estádio alviverde.

Os custos de manutenção da grama sintética são até três vezes menores que o do gramado natural, dependendo da qualidade dos campos. A empresa instalou grama sintética também no Bruno José Daniel, campo do Santo André, time que disputa a primeira divisão do Campeonato Paulista e a Série D do Brasileirão.

Recentemente, a Soccer Grass foi procurada pelos responsáveis pela construção da Arena MRV, futuro novo estádio do Atlético-MG, que acabou optando pela grama natural.

Ao permitir a realização de mais partidas ao longo do ano, a grama sintética aumenta a arrecadação com dias de jogos, como o dinheiro movimentado nos restaurantes. Nas conversas com Flamengo e Fluminense, quando ainda tentava convencer a dupla de que seria financeiramente interessante para todos que o Vasco mandasse partidas de apelo no estádio, o clube usou esse argumento. Porém, esbarrou na resposta de que o campo do Maracanã, de grama natural, não comportaria mais jogos, além dos da dupla Fla-Flu.

Nem tudo são flores

Existem alguns gastos adicionais em caso de implementação da grama sintética. O Palmeiras mudou também os campos do centro de treinamento, para adaptar os jogadores ao novo piso.

Além disso, a grama sintética possui fraquezas. O material sintético está mais suscetível aos raios solares, esquentando rapidamente. Para o campo não ficar muito quente, o que afeta o desempenho, precisa ser irrigado com mais frequência, com consumo de água até dez vezes maior.

Outro problema, aponta o agrônomo Leandro Godoy, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e especialista em gramados esportivos, é a troca da área verde por uma artificial.

— A grama é planta. Pega o gás carbônico e libera oxigênio. Seria muito melhor que ela fosse mantida e o Maracanã recebesse menos jogos. Que Flamengo e Fluminense tivessem outro campo para jogar, como o Vasco.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos