Marca cria Dia do Trabalho Invisível para mostrar dupla jornada da mulher

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Tired mother, trying to pour coffee in the morning. Woman lying on kitchen table after sleepless night, trying to drink coffee
Mulheres gastam cerca de 12,5 bilhões de horas por dia com trabalho não remunerado no mundo todo
  • Amaro resolveu criar Dia do Trabalho Invisível para representar jornada dupla feminina

  • Mulheres gastam cerca de 12,5 bilhões de horas por dia com trabalho não remunerado

  • Marca vai oferecer site, painel de discussão e desconto em app de orientação psicológica

Mulheres do mundo todo gastam em torno de 12,5 bilhões de horas por dia com trabalho não remunerado. É o tempo destinado à tarefa invisível de cuidar da casa e dos filhos, que ainda recai sobre as mulheres em 2021. Pensando nisso, a Amaro criou o Dia do Trabalho Invisível, que cai em 2 de maio, um dia depois do Dia Internacional do Trabalho, para representar a jornada dupla feminina. As informações são da Exame. 

Leia também:

Em 2019, esse segundo trabalho das mulheres tomou 21 horas na semana, enquanto que os homens gastaram cerca de 11 horas. Segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional, o PIB (Produto Interno Bruto) cresceria 4% se esse trabalho sem remuneração fosse melhor distribuído. 

Ações da empresa

Com o intuito de propor soluções para diminuir a sobrecarga sobre as mulheres, a empresa fez um site com conteúdo sobre o tema, curiosidades e um quiz que pode ser usado como ferramenta para ajudar a dividir as tarefas em casa. 

Além disso, a Amaro fechou parceria com a plataforma de orientação psicológica online Zenklub. Assim, todas as seguidoras da empresa que procurarem a Zenklub terão 85% de desconto na primeira consulta e poderão usar gratuitamente o conteúdo disponível no aplicativo. 

No Dia do Trabalho Invisível, também será disponibilizada a gravação de um painel de discussão dos funcionários da companhia com o criador da Prazerele, Cláudio Serva. A plataforma visa a ajudar homens na desconstrução do machismo.  

Outras 30 empresas foram convidadas a se juntar à iniciativa. Entre elas estão, Foreo, Pantys, Korui, Linus e Feito Brasil.