Marcela Temer se une à rainha da Suécia em defesa da infância

São Paulo, 4 abr (EFE).- A primeira-dama Marcela Temer e a rainha Silvia da Suécia se uniram nesta terça-feira em São Paulo em defesa dos direitos das crianças e pediram às autoridades e à sociedade que se comprometam de forma "urgente" com essa luta.

A monarca sueca e a esposa do presidente Michel Temer encerraram hoje o Fórum Global da Infância na América do Sul, evento promovido pelo Unicef e pela World Childhood Foundation, fundada em 1999, entre outros, pela rainha Silvia.

"Enquanto houver crianças desassistidas, vítimas da violência e da pobreza haverá trabalho urgente por fazer. Não é trabalho apenas do governo, mas também de toda a sociedade", afirmou Marcela Temer, que é responsável pelo projeto governamental Infância Feliz.

A rainha Silvia, que se encontra de visita oficial no Brasil junto com o rei Carl Gustaf XVI, pediu às empresas e à sociedade em geral uma maior participação "para criar um mundo melhor para as crianças e os adolescentes".

A monarca contou que seu trabalho na área da infância começou após uma visita ao Brasil, país no qual viveu durante sua infância e onde ficou marcada pela cena de uma criança se protegendo da chuva com uma caixa de papelão.

"A vida de uma criança é frágil demais para ser protegida com um caixa de papel. Nossas crianças merecem mais de nossa parte", comentou a rainha.

Durante o fórum foi apresentado o estudo "Os direitos das crianças e o setor corporativo da América do Sul", que concluiu que as empresas da região podem contribuir mais para proteger os menores de idade.

De acordo com o relatório, as empresas sul-americanas obtiveram uma pontuação média de 2,2 em uma escala de 9, o que lhe situa abaixo da média global, que é de 2,9.

O estudo, que avaliou as 282 maiores empresas da América do Sul, constatou que menos de 10% das companhias da região têm líderes ou conselhos administrativos que assumem responsabilidades pelos direitos das crianças.

Além disso, apesar de 59% das companhias avaliadas terem uma política contra o trabalho infantil, apenas 24% delas informaram sobre a descoberta dessas práticas na rede de provedores.

O Fórum Global da Infância na América do Sul foi inaugurado hoje por Michel Temer, que aproveitou o evento para sancionar uma lei que estabelece maiores medidas de proteção aos menores que são vítimas de violência no Brasil.

A norma cria um conjunto de garantias para crianças e adolescentes que são vítimas ou testemunhas da violência, como o direito a serem escutados e resguardados em lugares apropriados e acolhedores, com infraestrutura e espaços físicos que garantam sua privacidade.

A medida foi elogiada pela rainha da Suécia, que explicou que, na prática, "a criança será escutada de forma protegida e especializada, podendo diminuir de dez para dois o número de vezes que têm que contar o ocorrido no ambiente familiar". EFE