Marcello Melo Jr. diz que 'Arcanjo' é atual e lança olhar sensível para as comunidades

LEONARDO VOLPATO
·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 07.04.2019 - O ator Marcello Melo Jr. (Foto: Zé Carlos Barretta/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 07.04.2019 - O ator Marcello Melo Jr. (Foto: Zé Carlos Barretta/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As ações policiais em comunidades cariocas foram tema de produções de sucesso nos últimos tempos. Entre elas está a série "Arcanjo Renegado", que, lançada em 2019 na Globoplay, chega agora à Globo. Para o ator Marcello Melo Jr., 39, com um olhar sensível e buscando "retratar pessoas que não são representadas nem pela polícia que sobe e mata nem pelos traficantes".

Ao todo, serão dez episódios que vão ao ar semanalmente a partir desta quinta-feira (4), contando a história de Mikhael (Marcello Melo Jr.), líder da equipe Arcanjo e primeiro-sargento do Bope (Batalhão de Operações Especiais). A série foi gravada na favela da Maré, no Rio de Janeiro, e teve moradores locais como figurantes.

"Tivemos paz e levamos cultura e entretenimento a quem mora no local. Retratamos a favela de uma forma não negativa. Lançamos um olhar sensível para a comunidade e queremos retratar pessoas que não são representadas nem pela polícia que sobe e mata nem pelos traficantes", opina o ator que afirma que pode conversar com a molecada que o vê como referência. Melo Jr. vem de comunidade e começou na arte aos sete anos com o projeto Nós do Morro, no Vidigal.

Junto com a temática policial está a temática política. De acordo com Marcello, muito do que se vê na série pode ser visto nos dias de hoje. "Na série, governo não é bem requisitado. É como se fosse tudo dividido quase como facções, e o cidadão fica refém desse mecanismo que envolve corrupção. A gente vê um reflexo", aponta.

Entre 2016 e 2020, ano e que a série estreou no Globoplay, o Rio de Janeiro conviveu com escândalos como com a prisão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) e o afastamento do então governador Wilson Witzel (PSC), ambos com acusações de corrupção. Já na trama, esse problema também é colocado em destaque.

"De certa maneira, você cava a cova que vai deitar. A desonestidade e o fato de crescer com o que é do outro são muito grandes. Não curto falar de política porque não tenho argumento, já que não vejo melhoria, só vejo as mesmas pessoas continuarem alimentando essa mamata", diz o ator.

A atriz Rita Guedes, 49, que na trama vive Manuela, presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio), concorda com a semelhança. "Vemos muita coisa parecida. 'Arcanjo' descortina esse bastidor da política, tanto do jogo legal como da política suja. Muita coisa que aconteceu no governo do Rio mostramos antes na série como uma premonição", diz.

A carga dramática e pesada da série pode ser conferida no semblante do policial Mikhael. Sisudo e introspectivo, o personagem quase não fala e parece introjetar todos os transtornos para si. Porém, diz o ator, não foi difícil se descaracterizar dessa bagagem pesada, pelo contrário.

"Era uma chavinha fácil de virar, mas exigia concentração. Eu tenho muita descontração fora do ar que é uma forma de inibir receios e a insegurança, mas no momento do 'gravando' buscava um sentimento de introspecção", comenta Melo Jr.

EXPECTATIVA PARA A SEGUNDA TEMPORADA

A segunda temporada da série "Arcanjo Renegado" já está confirmada. Ela deveria ter sido filmada em 2020, mas por causa da pandemia do novo coronavírus as filmagens ficaram para depois da vacina, possivelmente para após o mês de abril.

De acordo com Marcello Melo Jr., que na trama interpreta o policial do Bope Mikhael, o público pode esperar uma narrativa ainda mais intensa e verdadeira.

"A expectativa é o que mais nos consome, não fosse a pandemia já teríamos gravado e lançado. O José Júnior [criador] tem uma cabeça que funciona 24 horas por dia, é inteligente e sintetiza as ideias das discussões levantadas. A primeira temporada já foi um sucesso, justamente por isso ainda temos mais responsabilidade para a segunda", explica.

Parceira de cena de Melo Jr., a atriz Rita Guedes se diz ansiosa para poder filmar as novas cenas e afirma que só quer fazer isso quando tiver toda a segurança necessária. "Como é uma série de ação, não há outras maneiras de gravar se não com todo o elenco. Pelo que vi do roteiro vai ter muita adrenalina e vai mostrar o lado humano dos policiais", comenta.

"Quando eu comecei a ler o roteiro da série não consegui parar de ler até o último episódio. É muito bem escrita. Essa série tem muito temas da atualidade. Acredito que vai surtir muito interesse. E minha personagem [Manuela, presidente da Alerj] terá uma reviravolta", aponta.

Enquanto as filmagens não podem ser feitas, ambos os atores vão trabalhando da forma que podem. Enquanto Melo Jr. se prepara para lançar um disco com músicas próprias, entre os dias 3 e 5 de fevereiro, Rita Guedes se prepara para fazer uma participação em outra série sobre a vida do sociólogo e ativista dos direitos humanos Herbert José de Sousa, o Betinho. O papel principal será interpretado por Júlio Andrade com quem a atriz já atuou na série "1 Contra Todos". A data de estreia e a plataforma ainda não foram divulgados.