Marcelo Freixo não disse em entrevista que, se for eleito, policiais não poderão atirar em ninguém

Em entrevista ao jornal RJ1, da Rede Globo, em 13 de setembro de 2022, o candidato ao Governo do Rio de Janeiro Marcelo Freixo (PSB) afirmou que, se eleito, não usará helicópteros como plataformas de tiros em operações policiais. Nesse mesmo dia, publicações alegando que o político teria afirmado que "fará operações em favelas, mas policiais não poderão atirar nem mesmo nos bandidos" foram compartilhadas dezenas de vezes nas redes sociais. Mas essa declaração não foi feita por ele e a proibição à ação dos policiais e ao uso de aeronaves não constam em seu programa de governo.

“Não tenho nenhum apreço pelo gaguinho mas, Marcelo Freixo diz que fará operação policial em favelas, mas policiais não poderão atirar em ninguém, nem mesmo nos bandidos, e que helicóptero também não vai mais operar. É SÉRIO??????”, questiona uma das publicações compartilhadas no Facebook e no Twitter. O conteúdo também circula no WhatsApp.

Captura de tela feita em 15 de setembro de 2022 de uma publicação no Facebook ( . / )

Parte das publicações virais compartilha um artigo veiculado por um site, em 13 de setembro, com o título "Marcelo Freixo diz que fará operação policial em favelas, mas policiais não poderão atirar em ninguém, nem mesmo nos bandidos, e que helicóptero também não vai mais operar".

No entanto, a matéria desse mesmo site contradiz o seu título ao afirmar, no corpo do texto, que "Marcelo Freixo, candidato do PSB ao Governo do Rio de Janeiro, disse nesta terça-feira (13), em entrevista ao RJ1, que as operações policiais em comunidades serão mantidas, mas o helicóptero da polícia não poderá fazer disparos. A medida, segundo dele, é para proteger as vidas de inocentes".

O texto continua, citando uma fala de Freixo: “'O helicóptero é importante tecnicamente, porque o helicóptero tem uma visão total, e isso eu já conversei com diversos policiais e a boa polícia tá do nosso lado, ele tem uma visão total do que está acontecendo numa área de conflito'. Mas, segundo o candidato, os disparos devem ser evitados".

Em nenhum momento da suposta notícia compartilhada nas redes menciona-se alguma declaração de Freixo de que os policiais não poderiam atirar durante as operações. O texto tampouco diz que o helicóptero da Polícia não irá mais operar.

É possível constatar na íntegra da entrevista ao RJ1 que o candidato do PSB, de fato, não afirma em nenhum momento que “os policiais não poderão atirar em ninguém”. Em vez disso, o político garantiu, aos 5 minutos e 54 segundos, que, se for eleito, “terá operação policial onde tiver crime”.

Perguntado sobre o uso de helicópteros como plataformas de tiro nas operações policiais em favelas, Freixo esclareceu, aos 6 minutos e 23 segundos de entrevista, que “o helicóptero é um instrumento fundamental”, mas que “do helicóptero não pode partir tiro que possa matar uma criança, um idoso”.

"A chance de você matar um inocente numa favela, com um tiro dado de cima, é enorme", acrescentou o candidato.

No programa de governo de Freixo tampouco há qualquer previsão de que as forças de seguranças serão impedidas de fazer disparos em operações.

Também não há qualquer menção à proibição de que policiais atirem ou do fim do uso de aeronaves nas redes sociais do candidato (1, 2).

Procurado pela AFP, Freixo afirmou por meio de sua assessoria que “os helicópteros não podem servir como plataforma de tiro em favelas porque coloca em risco a vida de pessoas inocentes” e que, ao contrário do que dizem as publicações virais, “realizaremos ações policiais para retomar território do tráfico e da milícia”.