Marcha do Orgulho em Soweto, marco da luta antiapartheid na África do Sul

·1 minuto de leitura
Membros da comunidade LGBTI dançam durante a Parada do Orgulho em Soweto, África do Sul, 25 de setembro de 2021 (AFP/LUCA SOLA)

Enrolados em bandeiras com as cores do arco-íris e dançando ao ar livre, dezenas de sul-africanos festejaram neste sábado (25) em Soweto o orgulho homossexual e o fim de uma terceira onda da covid-19, especialmente penosa para esta comunidade.

A Constituição pós-apartheid desta jovem democracia protege contra a discriminação baseada na orientação sexual, mas no dia a dia, homossexuais e trans continuam sendo confrontados com a estigmatização e, inclusive, a violência.

"Ainda matam por isso", declarou Siphokazi Nombande, de 42 anos, uma das organizadoras. "Muitos não entendem que as pessoas LGTBQI [lésbicas, gays, trans, bissexuais, 'queer' e intersexuais] possam existir. Querem mudá-las por causa do que gostam".

O confinamento para conter a covid-19 acentuou estas dificuldades, ao obrigar os jovens a permanecer com suas famílias e em um entorno que rejeita sua identidade. "Cada vez registramos mais casos [de discriminação], mais problemas de saúde mental", destacou a ativista.

Neste contexto, a organização desta 17ª edição anual da Soweto Pride, neste local simbólico da luta contra o apartheid, representa um impulso para a comunidade LGTBQI.

"Ainda resta muito caminho antes de poder dizer que sou LGTBI ou 'queer' e que o assumo, sem arriscar minha segurança", comentou Tshepiso Leeu, enfermeira de 32 anos.

"Há muitas coisas a comemorar", acrescentou. "Nós contamos. Nossos artistas contam, nossa criatividade, nosso talento, nosso trabalho contam. Nós também contribuímos com a sociedade".

str/ger/jvb/me/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos