Marchas de mulheres indígenas e camponesas se unem em pressão a Bolsonaro

JÚLIA ZAREMBA
BRASÍLIA, DF, 14.08.2019: MARCHA-MARGARIDAS - Trabalhadoras rurais de todo país deram início, na manhã desta quarta-feira (14), a uma passeata entre o Pavilhão do Parque da Cidade e o Congresso Nacional, em Brasília, em protesto por mais políticas públicas voltadas ao campo. A manifestação, conhecida como Marcha das Margaridas, ocorre desde 2000. (Foto: Edison Bueno/Photo Press/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Trabalhadoras rurais e pescadoras se reuniram a mulheres indígenas na Esplanada dos Ministérios na manhã desta quarta-feira (14) em protesto para pressionar o governo Jair Bolsonaro (PSL).

O encontro marca o encerramento da 1ª marcha das Mulheres Indígenas, cujo mote é "Território: nosso corpo, nosso espírito", e o início da marcha das Margaridas, com o tema de "luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência."

A Polícia Militar estima a participação de 20 mil pessoas. Já os organizadores falam em 100 mil, de mais de 40 entidades de diferentes estados e países. 

A marcha das indígenas foi organizada pela Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) e teve até vaquinha para financiar a viagem dos indígenas para a capital federal -conseguiram arrecadar pouco mais de R$ 49 mil. Ela ocorre em meio ao Fórum Nacional de Mulheres Indígenas, de 9 a 14 de agosto. 

Já a marcha das Margaridas, realizada desde 2000 a cada quatro anos, foi batizada em homenagem à sindicalista Maria Margarida Alves, assassinada em 1983. O evento é coordenado pela Contag (Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura). 

O mote deste ano é "Margaridas na luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência."

"Margarida, presente!", gritavam as organizadoras, em referência ao grito em memória à vereadora Marielle Franco. 

As trabalhadoras demandam igualdade de gênero, o fim da violência contra a mulher, agricultura sustentável, restrições ao uso de agrotóxicos e reforma agrária, entre outras questões. E não pouparam críticas aos presidente Jair Bolsonaro e ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. 

O ex-candidato Fernando Haddad (PT) e as ex-ministras Eleonora Menicucci (Secretaria de Políticas para Mulheres) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome), além de alguns deputados e senadores, estiveram presentes. 

Neste ano, pela primeira vez, não entregaram ao governo a pauta de reivindicações. Em vez disso, escreveram uma plataforma política com dez eixos temáticos para compartilhar com a sociedade.

"Construímos uma plataforma com o modelo de sociedade que as margaridas defendem. Não está alinhada com o que o governo está fazendo, que é retirar os direitos das trabalhadoras e das mulheres", diz Mazé Morais, coordenadora geral da Marcha. 

"Continuaremos marchando até que finalmente reconheçam nossos direitos e nos respeitem", diz.

Embaladas por uma trilha sonora que incluiu Elis Regina, Luiz Gonzaga e Geraldo Vandré, as manifestantes chegaram à Esplanada dos Ministérios às 10h. Algumas pessoas passaram mal e tiveram que ser socorridas por bombeiros. 

A lavradora Reginalva Nunes, 37, encarou dois dias de viagem até Brasília. Saiu de Vitória do Mearim, no Maranhão. "Às vezes, sofremos preconceito. Não só pela cor da pele, mas por ser mulher. Tem homem que diz que diz que não temos direito", diz.

Filha de trabalhadores rurais, a professora Cássia Rejane Lima, 33, da cidade de Olho d'Água das Cunhãs, também no Maranhão, foi à marcha pedir direitos iguais aos dos homens e mostrar a importância dos trabalhadores do campo. 

"É a primeira vez que vou à marcha. Estou gostando da força das mulheres. Espero que sejamos ouvidas", diz ela. 


MARCHA DAS MARGARIDAS

O que é: ato de trabalhadoras rurais criado em homenagem à sindicalista Maria Margarida Alves, assassinada em 1983. É realizado a cada quatro anos

Quando: a 6ª edição será realizada nesta quarta (14) em Brasília. Organizadores esperam 100 mil pessoas

O que querem: preservação do meio ambiente, justiça social e fim da violência de gênero, do racismo, da homofobia e da intolerância religiosa


MARCHA DAS MULHERES INDÍGENAS

O que é: ato organizado pela Apib (Associação dos Povos Indígenas do Brasil) com cerca de 3.000 mulheres, segundo elas, de 120 povos indígenas de diferentes estados

Quando: a caminhada foi realizada pela primeira vez nesta terça (13) em Brasília

O que querem: preservação de terras indígenas, sistema de saúde de qualidade e garantia de direitos aos índios