Marco Feliciano ataca Burguer King após campanha sobre diversidade: 'Deixem nossas crianças em paz'

·3 minuto de leitura

O deputado federal Marco Feliciano (Republicanos-SP) publicou um vídeo em suas redes sociais em que critica a campanha da rede de fast food Burger King em homenagem ao mês do Orgulho LGBT. O comercial mostra crianças opinando sobre diversidade de forma natural e sugere que os adultos aprendam com elas. Feliciano, no entanto, julgou a iniciativa como feita para "aparecer a qualquer custo e polemizar para vender".

"A rede Burguer King está promovendo uma campanha com o seguimento LGBT. Até aí nenhum espanto, até porque essas gigantes que têm milhares de dólares fazem parte desse mundo globalizado e tentam empurrar goela abaixo de nós, cristãos conservadores, a sua visão distorcida do que pensam ser o tal progresso e fim das diferenças", começou o deputado no vídeo.

"Mas o que me causou espanto e repulsa foi vê-los desta vez usarem crianças puras e inocentes em suas propagandas anticristãs", continuou Feliciano.

Ele não foi o único a atacar a campanha. A repercussão foi tamanha que o nome da empresa foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter. Entre as mensagens de internautas, alguns apoiavam a iniciativa, enquanto outros criticavam, subindo inclusive a #BurgerKingLixo.

"Talvez vão até me cancelar como já fizeram com outras pessoas que os criticaram, os acusando de preconceito. Mas não é preconceito, é tristeza mesmo. O que faço aqui é o desabafo de um pai, de um avô", disse Feliciano no vídeo que postou em sua rede social.

Para o deputado, "quem deve escolher os assuntos que atingem as crianças na primeira idade são seus pais", visto que eles "receberam a missão divina de criar seus filhos". Ele disse acreditar que as afirmações feitas pelas crianças no vídeo foram "claramente uma indução, talvez regada por um bom cachê".

Marco Feliciano ainda afirmou que o vídeo demonstrava uma "falsa normalidade como se o assunto fosse uma regra", quando, segundo ele, "é uma exceção". A legenda da publicação pedia "Deixem nossas crianças paz". "Sem preconceito sim, mas sem trazer confusão às puras e inocentes crianças e debocharem dos pais que são cristãos", finalizou o deputado no vídeo.

Além de Feliciano, outras personalidades políticas e conhecidas do meio também se manifestaram. O Secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura, André Porciuncula, atacou a iniciativa, classificou a campanha como “sórdida” e “insistente” e disse ser “algo inaceitável” em seu Twitter. O apoiador e conselheiro do presidente Jair Bolsonaro, pastor Silas Malafaia, postou uma foto que dizia: "O Burguer King é nojento" e escreveu "diga não ao Burger King".

Para defender a rede de fast-food, a jornalista, humorista e youtuber Maíra Azevedo, conhecida por Tia Má, escreveu em seu Twitter que "a campanha é linda e arrebata das mãos dos preconceituosos o argumento de que não sabe como explicar para as crianças casais com duas pessoas do mesmo sexo".

O perfil da empresa no Brasil agradeceu o comentário dela, como tem feito com internautas que elogiam a iniciativa. Sobre as críticas e ataques, a empresa adotou uma postura mais receosa e não respondeu.


Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos