Marcos Mion mobiliza seguidores para pressionar STJ na votação sobre planos de saúde

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL 08.08.2019 -  Marcos Mion (ator). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL 08.08.2019 - Marcos Mion (ator). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O apresentador Marcos Mion voltou a pedir nesta terça (7) que as pessoas pressionem os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que votem contra a aprovação do rol taxativo. O julgamento que decidirá se as operadoras de planos de saúde devem custear tratamento fora da lista de cobertura estipulada pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) será retomado nesta quarta (8).

"A gente precisa de união mais uma vez contra o absurdo, o crime que é o rol taxativo [...] Para quem não sabe, esta é uma decisão que pode afetar milhões de autistas. E, na verdade, pode afetar qualquer pessoa que tenha um plano de saúde", diz ele, em vídeo publicado no seu Instagram.

Pai de Romeo, que é autista, Marcos Mion se tornou referência como ativista da causa. Em fevereiro, ele já tinha feito um vídeo pedindo a mobilização de seus seguidores. Na ocasião, a votação foi suspensa.

"Rol taxativo mata. Vamos mostrar que nós não esquecemos, vamos mostrar que nós estamos atentos [...] Dinheiro nenhum pode ficar acima de uma vida", afirmou.

No vídeo, ele lembrou que a votação anterior terminou empatada em 1 a 1 e fez questão de citar os nomes dos ministros que votaram a favor do rol taxativo (Luis Felipe Salomão) e contra (Nancy Andrighi). O ministro Villas Bôas Cueva pediu vistas (mais tempo para estudar).

No julgamento, estão de um lado os usuários e associações de pacientes que desejam um rol exemplificativo, ou seja, que a lista ANS funcione só como referência mínima e que outras demandas possam ser atendidas sob solicitação médica.

Na outra ponta, estão os planos de saúde que defendem um modelo taxativo, sem a possibilidade da inclusão de terapias ou exames não listados pela agência regulatória.

"Os planos de saúde vão simplesmente usar essa lista como lei, ou seja, qualquer tratamento, procedimento que não estiver nesta lista, vai ser negado por lei. E são muitos, como terapias que são fundamentais para que os autistas e outras pessoas com deficiência possam evoluir. Sem falar de exames super importantes para pessoas com doenças raras ou até mesmo com câncer. Imagina que pesadelo", argumenta Mion.

A votação acontece dez dias antes do Dia do Orgulho Autista, em 18 de junho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos