Margareth Dalcolmo ganha Prêmio Jabuti na categoria Ciências

A pneumologista Margareth Pretti Dalcolmo, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, da Fiocruz e colunista do GLOBO, venceu o Prêmio Jabuti na categoria Ciências com o livro: ‘Um tempo para não esquecer: a visão da ciência no enfrentamento da pandemia do coronavírus e o futuro da saúde’, publicado pela editora Bazar do Tempo.

Faltam informações: Equipe de transição de Lula trava disputa com Ministério da Saúde para ter acesso a dados estratégicos

De olho no futuro: Cientistas descongelam 13 vírus de até 48 mil anos que estavam adormecidos na Sibéria

A premiação foi realizada na noite de quinta-feira.

"Recebo o Prêmio Jabuti especialmente sensibilizada pelo reconhecimento de uma trajetória literária de par com a científica, que traduz minhas reflexões sobre o tempo que vivemos e do qual esperamos sair com ciência e generosidade", afirmou Dalcolmo.

A obra premiada reúne os artigos escritos semanalmente para o jornal O Globo. Os textos “constituem uma espécie de diário que documenta no calor e estupor dos acontecimentos a visão da ciência em sua essencial missão humanista”, de acordo com a sinopse da editora.

A especialista foi eleita em agosto deste ano para a cadeira 12 da Academia Brasileira de Medicina. Doutora em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dalcolmo é pesquisadora sênior da ENSP/Fiocruz, com atuação no Centro de Referência Professor Hélio Fraga. Atualmente, é presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (período de 2022 a 2024). A pneumologista é membro das sociedades brasileiras de Pneumologia e Tisiologia e de Infectologia, da REDE TB de Pesquisa em Tuberculose e do Steering Committee do Grupo RESIST TB da Boston Medical School.

Ela integra o Grupo de Peritos para aprovação de medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde - OMS (Expert Group for Essential Medicines List), reconduzida em mandato até 2026, e faz parte do Regional Advisory Committee do Banco Mundial para projetos de saúde na África Subsaariana em tuberculose e doenças respiratórias ocupacionais. Tem mais de 100 artigos científicos publicados no Brasil e no exterior.