Maria Rita não quer ser igual à Elis Regina: "Ninguém se compara à incomparável"

Maria Rita em foto na redes social
Maria Rita em foto na redes social. Foto: Divulgação/Instagram

Resumo da notícia:

  • Maria Rita não quer ser igual a Elis Regina: "Ninguém se compara à incomparável"

  • Ela usou as redes sociais para desabafar sobre as comparações que fazem dela com sua mãe

  • No Twitter, a cantora também desabafou sobre os julgamentos de técnica vocal

Aos 44 anos, Maria Rita usou as redes sociais para desabafar sobre as comparações que fazem dela com sua mãe, Elis Regina, ícone da música brasileira falecida em 1982, ainda mais depois de gravar um álbum que homenageia a artista, lançado em 2012.

Em publicações no Twitter, a cantora quis deixar claro que não tem o objetivo de se igualar à mãe ao acreditar que ela é incomparável, seja com a filha ou com qualquer outro artista. "Não, nossas interpretações não são iguais. E sim: as dela são e sempre e serão infinitamente melhores - do que quaisquer cantoras. Não só euzinha aqui", esscreveu.

"Acho curioso quando dizem que têm ranço de mim porque eu dizia que não gostaria que me comparassem à minha mãe (no início da minha carreira), mas que gravei um disco/DVD em homenagem a ela (10 anos depois)", continuou.

"Não querer me comparar tinha — e tem — dois principais motivos: 1. Ser eu, ser livre para cometer meus erros e ter minhas conquistas, escrever uma história distinta à dela; 2. Ninguém se compara à incomparável. Ninguém", completou.

Na sequência, ela explicou sobre a técnica vocal das duas. "Outro lance que fico pensando é isso de exaltarem a mãe a partir de ataques à filha. Mano: faz isso não. É feio. Ninguém gostaria de passar por isso — principalmente uma mãe. Não era o caso da minha mãe. Me deixa. E sim: a minha voz é mais grave e mais 'suave'. Eu sou alto/contralto, minha mãe alto/soprano. Vale dar uma estudada para para entender que, por causa disso, nossas extensões são diferentes (mas tem maestro que diz que a minha extensão é incrível)", comentou.

"E para terminar: não, eu não quero ser igual à minha mãe. Eu só quero buscar alguma paz dentro desse cenário onde a Elis é de todos, mas a mãe é minha. Aliviem, vai. Já tenho 20 anos de carreira, 8 Grammys, sei lá quantas turnês pelo país e pelo mundo", acrescentou.

"Mas se quisesse: MINHA MÃE ERA F***! E eu estaria bem no meu direito de me inspirar nessa mulher incrível. Meu direito e minha honra. Esse legado dela é o maior presente que ela me deixou. E prestem atenção: amadurece aí, porque minha mãe não merece esse nhem-nhem-nhem não — e, honestamente, nem eu", completou.

"Nossa história, a minha e a dela, é tão mais maneira que isso. Ela me amava loucamente, quase pirou quando eu nasci, dizia que eu era a companheira dela. Amor de mãe! PS: eu acho que canto para c*****o! Mas não chego aos pés de dona Elis. Mas quem chega?", concluiu. Confira:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ouça o Pod Assistir, podcast de filmes e séries do Yahoo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.