Maria Zilda conta que fumou maconha com astro jamaicano em bastidores de novela: 'Não sabia quem eu era'

Extra
·2 minuto de leitura

Maria Zilda revelou numa live em seu Instagram com o ator Kadu Moliterno uma história de bastidores da época que os dois atuaram na novela "Água viva", em 1980. Ela conta que durante um intervalo das gravações, ela conheceu o cantor de raggae Peter Tosh, que estava no Brasil faria uma participação na trama cantando numa festa, e que o mesmo lhe ofereceu maconha.

A atriz revelou que driblou o segurança para chegar perto do ídolo. "O Peter era daquela turma da Jamaica que cada um fuma o seu próprio baseado. Não tem essa história de ir passando um para o outro. E eu era louca por ele", contou. "Quando chegou no meio da festa, como eu estava fazendo uma figuração, dei uma fugidinha e fui atrás da tapadeira. Fui lá cumprimentá-lo. Eu tinha que ver meu ídolo. Ele foi muito simpático. Daqui a pouco, ele disse: 'Quer fumar?'", disse Maria Zilda, aos risos.

"Eu disse: 'Não, obrigada'. Ele pegou um morretão e botou na minha mão. Fiquei com cara de que se eu não fumasse aquilo, faria uma indelicadeza, né?", continou, ela acrescentando que não conseguiu resistir ao convite:

"Fumei (risos). Vi que o negócio era do balacobaco (risos). Devolvi para ele e falei: 'Olha, não posso ficar aqui porque vão me dar o flagrante. Tenho que voltar'. E voltei para a festa. Kadu, eu não sabia quem eu era (risos)", entregou ela, ao relatar os efeitos da substância.

"Sentei no sofá chapada (risos). E a Tônia (Carrero, atriz do elenco) dizia para mim: 'O que você tem?'. E eu: 'Não sei quem eu sou' (risos). E ela: 'Tá bem. Disfarça. Eu vou te dar um drinque e você fica aí bebendo'. Menino, teve duas horas que eu achei que ia desmaiar e que não voltaria. O negócio deles é de alta periculosidade", contou.