Marido de Joice nega violência contra a parlamentar: 'Nunca agredi ninguém em nenhum momento da minha vida'

·4 minuto de leitura

BRASÍLIA - Marido da deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), o neurocirurgião Daniel França negou neste domingo ter sido o autor de agressões contra a parlamentar. No apartamento funcional de Joice, em Brasília, o médico respondeu a perguntas da imprensa, em entrevista coletiva marcada pela assessoria da deputada. França deu sua versão sobre o episódio da semana passada. Joice, por sua vez, ressaltou que ele queria levá-la ao hospital tão logo se deparou com os ferimentos.

— Jamais (agredi). Primeiro, eu nunca agredi ninguém. Em nenhum momento da minha vida. Eu nunca dei um tapa em ninguém, nunca dei um murro em ninguém. Essa é a primeira coisa. Segunda coisa, eu não tenho nenhum motivo para fazer isso. Eu jamais faria isso. Então, é exatamente por esta razão que estou fazendo o que posso para provar o contrário. Fui espontaneamente à polícia para prestar depoimento, à imprensa e a todos. Exatamente por isso — disse o médico.

Sobre o caso de violência, Joice relata que acordou no domingo passado, no chão de sua casa, em uma poça de sangue, sem saber o que aconteceu durante a noite. Com várias fraturas, pediu ajuda do marido, que dormia em quarto separado. Segundo o casal, eles dormem em cômodos separados porque França tem problemas com ronco.

No hospital, dois dias depois, foram constatadas as lesões. A última lembrança da madrugada de domingo, segundo Joice, foi a de assistir a um capítulo de uma série na sua cama. Ela suspeita que alguém tenha invadido o apartamento e desferido um golpe em sua cabeça, resultando em desmaio. Também já apontou à Polícia Legislativa e ao Ministério Público "duas pessoas suspeitas", que preferiu não nominar. Neste domingo, disse apenas que um deles é um parlamentar.

França diz que há duas hipóteses para as lesão. Acidente, com choque em algum objeto; ou um atentado.

— Eu estava no apartamento. E eu tenho um problema que, tenho certeza, aqui vários têm. Eu ronco muito. Às vezes, eu ronco muito. Então, por essa razão eu durmo em um quarto, ela dorme em outro quarto. (Faço isso) em respeito ao sono dela, que é muito mais leve. Eu tenho um sono muito pesado. Então, eu não ouvi nada porque eu estava dormindo em outro quarto, que não é colado ao quarto dela. E estava de porta fechada.

França disse que não foi ao hospital logo após o episódio foram identificadas porque Joice não queria sair de casa. Os ferimentos mais profundos só foram constatados após exames, realizados na terça-feira. Ambos disseram que, inicialmente, acreditavam se tratar de um acidente doméstico como uma queda.

— Repita a minha frase - disse França a Joice.

— Ele queria me levar imediatamente ao hospital para fazer as tomografias. Eu sou teimosa igual a uma mula. Eu falei para ele e ainda brinquei: estou com meu personal doctor em casa. Um dos melhores melhores médicos do país. Eu falei: você está me cuidando. Minha preocupação maior era com os dentes - disse Joice.

Perguntado se não deveria ter levado imediatamente ao hospital, França disse que fez uma avaliação clínica.

— Eu sou especialista em neurotraumatologia. Se ela tivesse apresentado o mais mínimo sinal de descompensação ao longo do tempo, ela teria ido ao hospital imediatamente. Já estava programado (a tomografia). Mas faço questão de repetir. Sei qual é o tom e o objetivo da sua pergunta. Se não fosse da minha mais absoluta especialidade, e se ela tivesse apresentado o mais mínimo sinal de descompensação neurológica, ou até uma dor nova que não tivesse aparecido, ela ia ao hospital puxada pelos cabelos, não queria saber — afirmou França.

Joice diz que a hipótese mais provável é que uma pessoa tenha entrado no apartamento. Ela reafirmou ter dois suspeitos.

— Um grande desafeto político que tem acesso muito fácil a esse bloco. Se alguém entrou aqui, não é coisa de amador - disse Joice sem revelar o nome da pessoa.

Joice disse ainda que recebeu a informação de "uma fonte" do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) sobre uma suposta ação secreta para minar sua credibilidade.

— Eu recebi uma mensagem de uma fonte ligada ao GSI dizendo que eles estavam em busca de um carro semelhante ao meu para amassar esse carro e dizer que eu tive um acidente de carro bêbada e drogada.

Na sexta-feira, quando Joice havia dito a mesma coisa a jornalistas, o ministro do GSI, General Heleno, se pronunciou nas redes sociais.

"Lamento os ferimentos da Dep Joice Hasselmann. Quanto à informação que divulgou sobre o GSI, deve ser perturbação consequente da pancada que levou na cabeça. Espero que melhore!", escreveu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos