Marido vai a ato terrorista e mulher cai em golpe de falso delegado pedindo "fiança"

Vítima teve a conta zerada para livrar o marido da suposta prisão

Mulher acreditou que marido havia sido preso durante atos terroristas (Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)
Mulher acreditou que marido havia sido preso durante atos terroristas (Joedson Alves/Anadolu Agency via Getty Images)
  • Mulher caiu em golpe após marido participar de atos terroristas em Brasília, no domingo (8)

  • Um suposto delegado manteve contato e afirmou que o rapaz havia sido preso

  • No total, a vítima e a filha desembolsaram R$ 1.636 para pagamento de uma falsa fiança

Uma idosa de 66 anos teve a conta zerada e perdeu mais de 1,5 mil reais ao cair em um golpe de pagamento de fiança, após o marido supostamente ser preso durante participação nos atos terroristas de domingo (8), em Brasília.

De acordo com informações do portal g1, a vítima e o esposo vivem em Campo Grande, de onde o rapaz viajou para se juntar aos milhares de apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) que protagonizaram os ataques aos prédios dos Três Poderes.

Sem notícias do rapaz, a idosa recebeu a ligação de um homem que se dizia delegado da Polícia Federal, alegando que o marido havia sido preso e que era necessário o pagamento de uma fiança para soltá-lo.

Assustada, a vítima acreditou nas informações e realizou uma transferência de R$ 1,5 mil via PIX. Momentos depois, o mesmo suposto policial entrou em contato afirmando que seria necessário mais dinheiro para soltar o marido.

Já com a conta zerada, a idosa pediu que a filha, de 21 anos, conversasse com o golpista. Após nova negociação, a jovem transferiu R$ 136 para o bandido.

Golpe percebido e denúncia

Somente horas depois do golpe, a mulher conseguiu manter contato com o marido e percebeu que havia sido vítima de um golpe. Ela procurou a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) do Centro e registrou a denúncia.

As vítimas mostraram os comprovantes das transferências como provas do crime. Até o fim da manhã desta terça-feira (10), no entanto, ninguém havia sido identificado ou preso.