Marina Silva é hostilizada em restaurante e defendida por outros clientes

***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 21.11.2022 - Coquetel da 20ª EDIÇÃO TROFÉU RAÇA NEGRA 2022 que neste ano homenageia 20 Mulheres, na Sala São Paulo no centro da cidade. Na foto, Marina Silva (deputada federal). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 21.11.2022 - Coquetel da 20ª EDIÇÃO TROFÉU RAÇA NEGRA 2022 que neste ano homenageia 20 Mulheres, na Sala São Paulo no centro da cidade. Na foto, Marina Silva (deputada federal). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A ministra do Meio Ambiente e Mudança Climática, Marina Silva (Rede), foi hostilizada por uma mulher enquanto almoçava em um restaurante, em Brasília, na tarde desta segunda-feira (2).

Segundo relatos, a mulher teria dito que os verdadeiros patriotas irão retornar e que Marina deveria ter vergonha de trabalhar com Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O caso foi revelado pelo jornal O Globo e confirmado pela Folha de S.Paulo.

A cena aconteceu no restaurante Greens, no bairro da Asa Norte. Na sequência, clientes do próprio restaurante passaram a defender a ministra --e a mulher precisou ser retirada por funcionários do estabelecimento.

Vídeos mostram o momento em que os presentes comemoram a retirada, entoam o nome de Marina e uma pessoa grita: "Viva o amor, viva a tolerância". A ex-senadora responde com um gesto de coração.

Nesta segunda, ela compareceu à posse do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), e elogiou o petista por seu comprometimento com a agenda ambiental, a quem chamou de "amigo".

"O ministro é transversal em todos os assuntos dessa Esplanada e tem sensibilidade muito grande para os temas ambientais", afirmou.

Ela ressaltou a criação de uma área dentro da Fazenda para tratar de temas do setor e também disse que as políticas ambientais devem ajudar a destravar acordos internacionais prejudicados pela condução da gestão climática no governo de Jair Bolsonaro (PL).

"[Os países] têm a confiança no presidente Lula de que as políticas ambientais serão implementadas, não revogadas como fez Bolsonaro, ou não abandonadas", completou.

A posse de Marina como ministra do Meio Ambiente deve acontecer na próxima quarta-feira (4). Já nesta segunda, o governo Lula publicou uma série de decretos ambientais, indicados pelo grupo de trabalho ambiental da transição.

Dentre eles, está o reestabelecimento do Fundo Amazônia, a retomada de planos de controle do desmatamento em diversos biomas brasileiros --como na Amazônia Legal e no cerrado-- e a revogação do decreto do ex-presidente Bolsonaro que flexibilizava as restrições contra o garimpo em terras indígenas.

Além da mudança de nome (foi acrescido o termo "e Mudança Climática" ao ministério), também foi criada a Secretaria Extraordinária de Controle do Desmatamento e Ordenamento Ambiental Territorial, uma demanda da ministra.

Já a Autoridade Climática, outra nova estrutura pleiteada por ela, deve ser criada só em março.