Marina Silva acusa governo Bolsonaro de incentivar roubo de terras públicas na Amazônia

Renato Grandelle
Candidata à Presidência por três vezes, ex-senadora diz que comunidade internacional condena ações como o desmonte do Fundo Amazônia, o avanço do desmatamento e a morte de lideranças do campo no Brasil

RIO — A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede Sustentabilidade) não mede palavras em suas críticas ao presidente. Em entrevista ao GLOBO, acusa Bolsonaro de ser "inconscientemente incompetente" sobre assuntos como direitos humanos e meio ambiente, diz que o governo premia grileiros que roubam terras públicas na Amazônia e que, se a atual agenda ambiental for mantida, o Brasil terá dificuldades em ratificar seu acordo comercial com a União Europeia. Ela também se diz pessimista em relação à agenda ambiental oficial em 2020.

Marina voltou aos holofotes em maio do ano passado, quando, junto a outros ex-ministros do Meio Ambiente, denunciou o desmantelamento da pasta. O grupo também pediu a moratória de projetos de lei que incentivassem o desmatamento na Amazônia. E, em dezembro, Marina partiu para a Conferência do Clima (COP-25), em Madri, onde foi questionada por diplomatas estrangeiros sobre o atual rumo do governo brasileiro. Para ela, a delegação brasileira teve um desempenho "vergonhoso".