Marinha faz buscas há três dias por lancha com cinco tripulantes que perdeu contato quando ia do Rio para Fortaleza

Arthur Leal
·2 minuto de leitura

Há três dias a Marinha do Brasil faz buscas para localizar cinco ocupantes de uma lancha, que navegavam do Rio de Janeiro para Fortaleza, no Ceará. Eles perderam o contato com a família no sábado, e, de acordo com o 1º Distrito Naval (COM 1ºDN), desde o domingo (31), quando receberam a informação de um suposto naufrágio da embarcação, de nome O Maestro, no litoral norte do estado, nas proximidades do Farol de São Thomé, em Campos dos Goytacazes, equipes estão empenhadas com auxílio de um navio patrulha, um helicóptero e um avião para tentar encontrá-los. Os militares já sabem que havia possibilidade de ventos fortes na região nos dias 30 e 31 de janeiro.

Os ocupantes da Maestro são cinco amigos, quatro cearenses e um gaúcho. De acordo com o portal G1, entre eles, estão dois empresários: Ricardo José Kirts e Domingos Sávio. Os outros tripulantes são um mecânico, um pescador e o comandante da embarcação, que não tiveram as identidades reveladas.

De acordo com a Marinha, as buscas seguem padrões técnicos e consideram os efeitos de correntes de deriva e ventos observados na região. Até o momento, de acordo com os militares, ainda não foram encontrados indícios que pontem para a localização da embarcação. A ação conta com o navio-patrulha Macaé, um helicóptero Sea Hawk (SH-16) e um avião P-95 da Força Aérea Brasileira (FAB), além de embarcações civis e aeronaves que trafegam naquela área. Com a ideia de obter mais informações, o Salvamar Sueste, estrutura responsável por Operações de Busca e Salvamento nesta região, emitiu Aviso aos Navegantes, divulgando por rádio um alerta solicitando apoio às embarcações próximas.

Além disso, empresas civis que operam regularmente helicópteros e navios na região foram avisados do desaparecimento da embarcação “O Maestro” e das suas características.

O 1ºDN acrescentou, também, que está em contato permanente com os familiares dos tripulantes e que, além disso, representantes da família receberam nesta terça-feira, da Capitania dos Portos do Ceará, todas as informações sobre o andamento das buscas e conhecem detalhes sobre os meios navais e aéreos empregados.

A mulher de um dos navegantes, Vitória Magalhães, revelou, em entrevista ao G1, que eles tentaram começar a viagem de volta a Fortaleza em 26 de janeiro, mas a embarcação apresentou problemas técnicos no motor e nas bombas. Após um conserto, eles iniciaram a viagem no dia de 28.

No sábado (30), às 23h23, o marido informou a localização de onde estavam, no Farol de São Thomé.

"Quando eu falei com ele, em nenhum momento ele me pediu ajuda, socorro. Ele disse que as coisas estavam ruins, mas estavam continuando viagem para Vitória. Então, eu deixei passar. Quando foi no sábado, que eu não consegui entrar em contato com ele, e nem no domingo, foi que eu entrei em contato com a Marinha", disse.